3/26/2017

Conor Farias: corpo do polêmico jornalista será velado na Câmara Municipal.


Vai ser na Câmara Municipal a partir cinco  horas da tarde o velório do empresário e apresentador de TV Conor Farias, a informação foi confirmada pela presidência daquele poder. A família confirmou o sepultamento para  amanhã  no final tarde.

Conor faleceu na madrugada deste domingo, num hospital particular em  São Luís, onde foi submetido a uma intervenção cirúrgica.  O apresentador sofria de várias enfermidades decorrentes do diabetes.  A morte do polêmico jornalista foi confirmada pelas redes sociais por um de seus filhos  logo ao amanhecer.

Goiano, Conor Farias chegou a Imperatriz na década de 1980. Foi professor de matemática, atuando como tal em várias escolas, mas tempos depois vocacionou-se para a comunicação e o empreendedorismo tendo deixado de lado o magistério e o que seria uma carreira de advogado para se dedicar  ao oficio que lhe deu fama e influência.

Na sua trajetória na “ terra do frei” o “homem do povão”,   como era chamado nos tempos do rádio quando ensaiou uma carreira política, foi dono lojas e casas de shows e empresário de eventos;  contudo,  ganhou notoriedade mesmo foi na comunicação. Primeiro na Rádio Imperatriz do paulistano Moacy Spósito, onde   ganhou espaço como polemista e  depois na TV  com passagens pela TVE e  Band.  Também foi arrendatário do   Sistema Nativa de Comunicação, de onde saiu para cuidar do seu sistema de comunicação que chegou a incluir, além da hoje TV Capital,  uma rádio ( Karajá) e um Jornal de circulação diária.

A paixão de Conor Farias pela comunicação podia ser vista diariamente no Imperatriz 24 Horas, programa que o consagrou. Mesmo debilitado reunia forças para gravar e assim deixar registrados seus comentários sobre os mais diversos assuntos, com destaque para a política; tema ao qual encerrava seus comentários mais ácidos e polêmicos. 

A morte de Conor pegou de surpresa a cidade sobretudo os colegas de profissão.

" Uma grande perda para todos. Conor, professor de matemática no colégio polivalente, onde  nos conhecemos. Depois montou a Carrus  empresa de som e acessórios,  e dai para o radio, tv e jornal foi um pulo. Trabalhamos juntos na Band e Nativa. Meus pêsames á família e que Deus conforte a todos seus irmãos Tarcísio e Maria sua mulher  Reny ,  o Italo seus irmaos. Triste aqui “escreveu o jornalista William Marinho..

O jornalista Marcelo Jr aproveitou para rememorar um pouco a trajetória de Conor “Na TV, Conor apareceu pela primeira vez na telinha, apresentando o TVE Notícias, emissora pertence a prefeitura de Imperatriz,  à convite do próprio Marcelo Rodrigues, seu então diretor. A partir daí, iniciou sua trajetória conciliando rádio e TV”

“Dia de luto ! É  com sentimento de profundo pesar pela perda do nosso amigo Conor Farias, que acordamos neste domingo. Nos unimos aos amigos, colegas e familiares neste momento de dor que envolve todos nós. Rogamos a Deus, que sua alma descanse em Paz” escreveu o jornalista Paulo Negrão.

Já a cerimonialista Zilda Reis destacou “ meus sentimentos à família pela perda desse grande comunicador e formador de opinião responsável pelo debate de grandes temas da cidade, e de nosso Estado . Amigo que conheci logo que cheguei em Imperatriz... Descanse em paz”




3/23/2017

Roberto Rocha fala sobre a situação dos rios maranhenses em sessão plenária


A se pronunciar em sessão plenária, na tarde desta  quarta-feira em plenário, o senador Roberto Rocha lembrou que hoje, 22, é o Dia Mundial da Água.  O parlamentar mencionou a importância da água para a sobrevivência humana. Alertou para o futuro em que a humanidade terá sérios conflitos  para garantir tal recurso natural.

Ao se referir ao Maranhão, o senador lembrou que o estado tem doze bacia hidrográficas, o equivalente a mais de cinco mil quilômetros de rios perenes, e, ainda assim, constatam-se graves problemas de assoreamento dos rios e do uso em desperdício da água.

Roberto Rocha mencionou o Seminário “Revitalização dos Rios e suas Nascentes” que se realiza nesta sexta-feira, 24, em São Luís , no auditório da  Federação das Indústrias do Maranhão – FIEMA, com o objetivo de promover a reflexão e troca de experiências entre gestores públicos e profissionais de diversas áreas, estimulando iniciativas para a recuperação das bacias hidrográficas maranhenses.  O evento vai reunir especialistas e autoridades públicas no assunto e deverá acontecer em várias regiões do Maranhão ao longo do ano de 2017.

Confira a fala do senador Roberto Rocha:   





3/22/2017

AÇÃO EXAGERADA: Após críticas de delegado à "carne fraca", PF recua e fala em problema pontual


Repercutiu com força a declaração do presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Carlos Eduardo Sobral, de que a PF teria errado no modo como divulgou para a imprensa e para a sociedade a operação carne fraca.
Já no final da tarde de terça-feira (21/3), a direção da Polícia Federal soltou uma nota em conjunto com o Ministério da Agricultura afirmando que não se trata de um problema sistêmico.
Os delegados da PF estão reunidos em congresso da ADPF em Florianópolis, onde o informe foi interpretado como um recuo. Um delegado com notória liderança na classe disse que “já tinha demorado” para o comando da PF dar a mão à palmatória.
A afirmação de Sobral foi feita na segunda-feira (20/3), primeiro dia do congresso da associação nacional da categoria, em Florianópolis. Para ele, ficou evidente que havia corrupção de fiscais e problemas em frigoríficos.
“Mas isso foi um problema sistêmico? Não vi os colegas da operação dizendo isso. Mas quando se coloca que foi a maior em operação da história da polícia leva ao entendimento de que é algo muito maior do que pode ser na prática", disse.
“Embora as investigações da Polícia Federal visem apurar irregularidades pontuais identificadas no Sistema de Inspeção Federal (SIF), tais fatos se relacionam diretamente a desvios de conduta profissional praticados por alguns servidores e não representam um mau funcionamento generalizado do sistema de integridade sanitária brasileiro”, diz a nota conjunta da PF e do Ministério da Agricultura.
O delegado da PF responsável pela segurança nos Jogos Olímpicos, Andrei Augusto Passos Rodrigues, disse em entrevista à ConJur que a “comunicação social da entidade é um dos pilares para informar bem sobre as operações e evitar qualquer efeito colateral indesejado”, mas não entrou em detalhes sobre a operação carne fraca.
Luiz Roberto Ungaretti de Godoy, delegado da PF com maior experiência em operações de combate ao narcotráfico, ressaltou que a “questão da comunicação das grandes operações, aquelas que têm um contexto político e econômico enorme como essa [carne fraca], muitas vezes geram essas polêmicas. A gente percebe que toda vez que a operação lida com elementos de corrupção, qualquer palavra pode gerar uma grande repercussão. Mas PF tem que divulgar seu trabalho e a sociedade demanda isso”.
Ministros criticam

O modo estridente como a PF divulgou a investigação contra frigoríficos e fiscais foi também foi tema de declarações de ministros do Supremo Tribunal Federal. O ministro Dias Toffoli, chamou de “pirotecnia” o modo de divulgar a operação. "Se todos comêssemos carne podre não estaríamos em sessão, mas no hospital". 

Em sessão da 2ª Turma, o ministro Gilmar Mendes foi enfático: “Um delegado decide fazer uma operação, a maior já realizada no Brasil, para investigar a situação de carnes e anuncia que estaríamos comendo carne podre e que o Brasil estava exportando para o mundo carne viciada. Por que ele fez isso? Porque num quadro de debilidade da política, não há mais anteparo, perderam os freios, não há mais freios e contrapesos".

 (Do Conjur)