8/05/2015

Dia Nacional da Vigilância Sanitária será lembrado hoje com ações na Praça de Fátima


O dia será marcado por atividades que visam conscientizar a população que circula pelo entorno da Praça, proporcionando esclarecimentos sobre temas relacionados à Vigilância Sanitária. A ação inicia a partir das 9h e segue até às 16h de hoje, 05 de agosto – Data em que se comemora pela primeira vez o Dia Nacional da Vigilância Sanitária, instituído pela Lei Nº 13.098, de 27 de janeiro de 2015. 

A coordenadora da Vigilância Sanitária em Imperatriz, Dinaldete Marques informa que as atividades de hoje são de suma importância para a população tendo em vista que as pessoas poderão além de tirar suas dúvidas sobre normas sanitárias, aprender o que se deve observar nos estabelecimentos comerciais que oferece risco à nossa saúde e verificar quais os canais disponibilizados para o cidadão denunciar estas situações.

“No nosso stand além da panfletagem teremos profissionais para conversar com as pessoas explicando as situações que por ventura podem existir em estabelecimentos como panificadoras, restaurantes e farmácias que vão de encontro às normas da ANVISA. Nossa exposição possibilitará ao cidadão perceber qual é a forma adequada de licenciamento e organização dos ambientes que eles freqüentam. E na oportunidade, nossos fiscais estarão recebendo também denúncias que posteriormente serão investigadas” acrescenta a Dinaldete. 

Segundo a coordenadora a ação além de lembrar a Dia nacional da Vigilância Sanitária e refletir sobre a regulação que temos hoje tem o objetivo principal de orientar a sociedade como um todo sobre as normas estabelecidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária que garante o Direito Constitucional a Saúde. De acordo com informações do portal anvisa.gov.br a data instituída coincide com o dia do nascimento de Oswaldo Cruz, considerado o maior nome da história da vigilância sanitária no Brasil. [Maria Almeida – ASCOM]


Biografia do Sanitarista

Formado em medicina Oswaldo Cruz especializou-se em Bacteriologia no Instituto Pasteur, em Paris. Na época, o local reunia grandes nomes da ciência. Ao voltar da Europa, Oswaldo Cruz encontrou o Porto de Santos assolado por violenta epidemia de peste bubônica, e logo se engajou no combate à doença. Em 1903, Oswaldo Cruz foi nomeado Diretor Geral de Saúde Pública, cargo que corresponde, atualmente, ao de Ministro da Saúde. À época, deflagrou memoráveis campanhas de saneamento. Em poucos meses, a incidência de peste bubônica diminuiu com o extermínio dos ratos, cujas pulgas transmitiam a doença.

Ao combater a febre amarela, no mesmo período, Oswaldo Cruz enfrentou vários problemas. Grande parte dos médicos e da população acreditava que a doença se transmitia pelo contato com as roupas, suor, sangue e secreções de doentes. No entanto, Oswaldo Cruz tinha uma teoria diferente: o transmissor da febre amarela era um mosquito. Assim, suspendeu as desinfecções, método tradicional no combate à moléstia, e implantou medidas sanitárias para eliminar focos de insetos. Sua atuação provocou violenta reação popular, a Revolta da Vacina.


Oswaldo Cruz acabou vencendo a batalha. Em 1907, a febre amarela estava erradicada do Rio de Janeiro. Assim, o país reconheceu o valor do sanitarista. Oswaldo Cruz ainda reformou o Código Sanitário e reestruturou todos os órgãos de saúde e higiene do Brasil.