4/25/2014

A Escolha de Madeira.


Quem conhece a trajetória política de Sebastião Madeira sabe que ele não age sob, e não aceita nenhum tipo de pressão. Pergunta, ouve, sonda;  conversa bastante, e age no momento certo, ou seja, no seu tempo. Hoje há uma grande expectativa em torno da decisão que tomará em relação à sucessão estadual depois da desistência do economista Luís Fernando da disputa. Essa expectativa demonstra a importância politica e eleitoral adquiridas por Madeira  ao longo da sua trajetória de homem público. O apoio dele a qualquer um dos projetos postos à disposição dos maranhenses  terá  peso sendo hoje  um eleitor extremamente importante.

Quatro mandatos de deputado federal, uma vice-liderança do seu partido-PSDB na Câmara dos Deputados, dois mandatos consecutivos na presidência do Instituto Teotônio Vilela (ITV) uma das instâncias mais importantes do tucanato nacional; a presença constante na vida das cidades onde era votado como deputado federal;  e dois mandatos de prefeito na segunda cidade mais importante do Maranhão  fizeram de Madeira um líder  habilidoso e respeitado em todo o Estado e  no País.  

Madeira tem sido leal às suas escolhas. Foi assim com o amigo Jackson Lago (ex-governador) até o fim.  Tanto que até hoje conta com o respeito dos seus familiares, que inclusive, só para refrescar um pouco a memória, chegaram a participar da  campanha para  sua reeleição.

Para ilustrar um pouco da personalidade do atual prefeito de Imperatriz, um breve relato de um episódio pouco conhecido da classe política: quando ele bateu pela primeira vez à porta do Palácio para pedir apoio de Roseana para  resolver  os problemas da cidade a governadora lhe teria cobrado como contrapartida,  naquela  ocasião, o apoio à sua reeleição. Naquele instante Madeira foi incisivo ao dizer que não poderia deixar de apoiar o Dr. Jackson  e nem o então candidato a presidente de seu partido,  José Serra (PSDB).  A governadora compreendeu a posição do líder político e  mesmo não recebendo o apoio que  desejava  liberou a  ajuda pretendida por ele  tendo iniciado ali uma  republicana relação institucional que, como é sabido de todos,  tem sido boa para a cidade.       

Roseana Sarney venceu a eleição e deu prosseguimento a uma nova relação, via Madeira, com Imperatriz. Os primeiros convênios começaram ser firmados tendo como resultado a pavimentação de várias ruas e assim foi possível  resolver diversos problemas históricos da cidade. Nesse interim Madeira se aproximou, e encontrou em Luís Fernando o grande interlocutor entre os interesses de Imperatriz e o Palácio dos Leões, daí apoiar o seu, até então projeto de se eleger governador do Maranhão,  foi só um detalhe.

O resumo da opera: Roseana  abriu mão da disputa por uma vaga no Senado e decidiu terminar o mandato de governadora, e  Luís desistiu  da disputa sendo substituído pelo senador Lobão Filho surgindo uma nova formatação na disputa pelo Governo do Maranhão.  Com Luís Fernando  havia boas perspectivas para a cidade;  projetos  presentes e futuros estavam em  andamento; com Lobão Filho,  na avaliação dos madeiristas o  jogo praticamente  zerou,  dai a necessidade de se avaliar bem para que a escolha do caminho seja a  melhor para Imperatriz.

É com muita cautela e tranquilidade que Madeira tem enfrentado esse momento político. Seu telefone praticamente não para. São os  líderes dos dois dos principais  projetos  eleitorais  postos à disposição dos maranhenses, e a imprensa,   querendo saber  se já há uma definição ou caminho a ser seguido. Madeira, até ontem pela manhã, ainda não tinha tomado uma decisão, ou deixado transparecer qual seria  hoje sua escolha.


Bem, pelo que se sabe do prefeito de Imperatriz,  seja qual for o novo caminho a ser seguido por ele e seu grupo, uma certeza se tem: o peso maior no elemento da escolha não será de cunho egoístico. Quem o conhece de perto sabe que o pessoal certamente ficará para trás, e pode afirmar que qualquer projeto que venha escolher terá, certamente, a cidade de Imperatriz como prioridade. Aguardemos, portanto,  mais um pouco.