12/31/2015

Morre Tarcísio Cardoso, primeiro filho de Imperatriz a se tornar padre. Religiso morreu nesta madrugada, aos 67 anos, de causas naturais.


Aquele senhor  com jeito e,  cara de professor, sorriso fácil, porém de olhar já  cansado, que  até o início de 2015 circulava pela cidade, levando amparo espiritual  às famílias, sobretudo as mais antigas, não poderá ser mais visto pelas ruas do centro velho. O padre Tarcísio Cardoso da Silva ,  aquele da batina preta, primeiro filho de Imperatriz a se tornar padre, morreu na madrugada de hoje.
Na semana passada a irmã do religioso,  a professora Nazaré Cardoso,  já informava que ele estava na UTI no Hospital UDI, em São Luís e que a família estava muito apreensiva com  a  situação.   Segundo ela , além de problemas cardíacos, o padre Tarcísio também era diabético e sofria de leucemia e  há muito estava  em tratamento médico motivo pelo qual se encontrava afastado de suas obrigações sacerdotais regulares.

A morte de Tarcísio foi anunciada oficialmente  pelo padre Laersio, numa rede social  e que que assim se reportou:  
É com tristeza que informo a todos que na madrugada deste dia 31, às 4:40, o Pe Tarcisio Cardoso da Silva, do Clero da Diocese de Imperatriz, descansou dos sofrimentos do mundo presente e foi encontrar-se com o Bom Pastor, Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Senhor o acolha em sua Morada Eterna e recompense no Céu todo o bem que fez nesta terra. Rezemos pelo seu descanso eterno.

 Pe. Laersio 

Tarcisio se despediu da vida terrena aos 67 anos.  Em 2010 ele   havia sido homenageado pela Prefeitura de Imperatriz com a Comenda Frei Manoel Procópio, a mais importante honraria  oficial da cidade pelos seus relevantes serviços como professor e depois como religioso.   
Ao tomar conhecimento da triste notícia  o prefeito Madeira lamentou  a morte do comendador .

“ Há homens que pelo seu legado, como dizia o poeta, são imprescindíveis. O padre Tarcísio era assim, imprescindível. Fica aqui o registro do nosso mais profundo pesar”   assinalou o prefeito.
O corpo do padre Tarcísio será trasladado para Imperatriz nas próximas horas. A Diocese ainda não informou oficialmente o local do velório, mas pela lógica deverá ser na Igreja de Santa Tereza, onde foi batizado e da qual anos mais tarde foi pároco.

Nas redes sociais já são muitas as manifestações  sobre a morte do padre Tarcísio. O jornalista Edimilson Sanches  foi um dos primeiros a se manifestar:

Há 30 anos, em 1985, Padre Tarcísio inovou e resgatou a tradição dos festejos da padroeira, Santa Teresa d'Ávila, introduzindo a procissão fluvial -- que, de certo modo, lembra a fundação de Imperatriz por Frei Manoel Procópio, que, pelo rio Tocantins, de canoa, chegou de ao local onde se iniciou a cidade.

Padre Tarcísio, como era conhecido, integrava o Clero da Diocese de Imperatriz. Foi meu companheiro de Rotary Club e até onde o conheci era um religioso querido e realizador. Fé com obra(s). Era um dos quatro padres mais antigos de Imperatriz e tinha a característica de sempre trajar batina preto e carregar uma maleta de mão, tipo valise.

Sempre educado, cavalheiro, voz mansa, Padre Tarcísio deixa obras e serviços religiosos no seu ide, pregai e fazei. Deixa, também, muitas saudades.

"Requiescat in pace".
 
“BATINA PRETA ERA UMA PROMESSA”
 

O Padre Tarcísio era distinguido pelo uso continuo da batina preta, o que despertava a curiosidade de muita gente.  Devoto de nossa Senhora, anos atrás quando viajava de ônibus para uma das cidades do Estado do Pará o  referido veiculo foi invadido por assaltantes  que com violência passaram a molestar os passageiros pelos seus pertences tratando-os com violência.  Tarcisio, naquele instante rezava para a Santa em rogo para que  que ninguém saísse dali ferido,  e fez um voto:  se assim ocorresse passaria a usar a batina preta onde quer que fosse. Ninguém saiu ferido. O padre cumpriu  a promessa até a morte.