12/02/2015

Secretaria de Saúde lembra Dia Mundial de Combate a AIDS com blitz no perímetro urbano da BR 010 em Imperatriz



Com o tema “Ter Aids não é bom, Ter e não saber é Pior”, a Secretaria Municipal de Saúde realizou na manhã de ontem (01) uma blitz no setor entroncamento para conscientizar a população sobre a necessidade de realização do teste e do diagnóstico precoce da doença, que segundo Ana Flávia de Alencar Moura, Enfermeira e coordenadora do Programa DST/Aids, é  umas das prerrogativas que garante a qualidade de vida do paciente em tratamento.

Na ação foram distribuídos folder e materiais informativos, além de preservativo masculino. “Com essa blitz a exemplo de outras ações que nós desenvolvemos durante o ano, nós pretendemos também combater o preconceito, e mostrar para por meio dos materiais que distribuímos que é possível a pessoa conviver com Aids sem perder a qualidade de vida, desde que a mesma descubra precocimente a doença,  faça adesão ao tratamento e der continuidade ao mesmo”, ressalta a coordenadora.

No dia 01 de dezembro diversas manifestações são realizadas para alertar a população sobre os riscos e agravos da Aids, levando em consideração os altos índices da doença no Brasil e no mundo. Na região Tocantina são 1.548 casos da doença, sendo que destes 936 residem em Imperatriz. De janeiro a novembro deste ano 59 novos casos foram  detectados pelo Programa Municipal DST/Aids, sendo 38 homens e 21 mulheres.

“Nosso principal objetivo com estas ações é conscientizar a população em relação às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e a Aids, facilitando o acesso ao diagnóstico com foco na adesão dos HIV positivos ao tratamento; pois com as campanhas e com o trabalho feito pela SEMUS, os índices estiveram estáveis, a exemplo deste ano que houve um número menor na detecção de novos casos”, informa Ana Flávia ao ressaltar que a faixa etária crítica que apresentou aumento na incidência de Aids na região continua sendo a dos jovens de 15 a 39 anos.

Vale ressaltar que paralelo as mobilizações do Programa, o atendimento segue normalmente no Programa DST/Aids que compreende o Centro de Testagem e Aconselhamento – CTA e o Serviço de Assistência Especializada em HIV/Aids – SAE, mantidos pela Secretaria Municipal de Saúde e localizados na Rua Projetada B, S/Nº - Pq Anhanguera/Praça Dilermano Reis.

Doença silenciosa

A AIDS é uma doença causada pelo vírus HIV, que ataca as células responsáveis pela defesa do organismo, deixando a pessoa mais vulnerável a doenças oportunistas. A aids não tem cura, mas tem tratamento.

 A pessoa pode ter o vírus HIV e não saber, por que os sintomas demoram a aparecer. Mas para isso é preciso tomar os medicamentos indicados e seguir corretamente as recomendações médicas.

Quanto mais cedo a pessoa souber que tem o vírus e iniciar seu tratamento melhor será sua qualidade de vida. Por isso, se a pessoa passar por alguma situação de risco (sexo sem preservativo, uso de seringa contaminada, transmissão vertical) recomenda-se fazer o teste anti HIV.

Transmissão/ Contágio

O HIV pode ser transmitido pelo sangue, esperma e secreção vaginal, pelo leite materno, ou transfusão de sangue contaminado. O portador do HIV, mesmo sem apresentar os sintomas da Aids, pode transmitir o vírus, por isso, a importância do uso de preservativo em todas as relações sexuais. [Maria Almeida – ASCOM]
FOTO: Maria Almeida