1/02/2017

Imperatriz ontem e hoje

Transição republicana
Elson Araújo

Juntos  Ildon (PSB) Jomar (PT)  e Madeira (PSDB)  somam 22 anos de administração em Imperatriz. Cada um com suas características, cada um deixou sua marca, deixou seu legado.  Arregimentaram admiradores, e também adversários; alguns mais do que outros. Enfim, fizeram sua parte e hoje são alvos do julgamento/comparação dos que aqui vivem. Certamente não será diferente com o prefeito Assis Ramos que enfrentará ao longo do mandato problemas comuns aos que foram enfrentados pelos seus antecessores.

Jomar, ainda relativamente jovem, é funcionário público de carreira lotado no comando da Receita Estadual e não apresenta, por enquanto,  sinais de que queira volta às lides partidárias, Ildon é suplente de deputado federal e  tentou  na última eleição retornar a administrar Imperatriz; tem mais de 70 anos e  ainda fôlego para  enfrentar   mais uma,  ou duas eleições.  Madeira, na casa dos 60 anos de idade,  encerra oito anos no comando do município,  e pelo que tudo indica  nem pensa em se aposentar.
Ildon Marques: ex-prefeito

Sebastião Madeira passou a faixa de prefeito a  Assis Ramos (PMDB)  na culminância de um processo de transição exemplar; sem estresse, sem neura, sem  clima de animosidade. Encarou o fato como um processo natural cuidando, às vezes, ele mesmo de sentar com o prefeito eleito e atender  seus pleitos não lhe negando  nenhum tipo de informação. Fez de tudo para que seu sucessor recebesse a casa arrumada prontinha para começar a trabalhar e sem nenhum tipo de embaraço.  

Admita-se alguns ou não, um caso raro no Brasil. Uma transição extremamente republicana

“Fechada as cortinas do Governo Madeira, agora é a vez do delegado Assis Ramos,   subir ao palco da administração pública e emprestar sua juventude e capacidade de trabalho para comandar  o segundo maior município do Maranhão. São muitos os desafios pela frente, principalmente porque assume a gestão  municipal num momento financeiro  complicado da vida nacional com o contingenciamento  e corte de recursos.  Mais do que nunca a máxima filosófica de que é na  “escassez que se faz o mestre”  se fará presente na gestão da Prefeitura de Imperatriz.
Jomar Fernandes: ex-prefeito

Mesmo diante das dificuldades previamente anunciada Assis Ramos chega à Prefeitura num momento particular da cidade quando se anuncia as obras de ampliação da Suzano que devem proporcionar na  execução uma boa arrecadação de ISS;  além do mais, há o  indicativo   de uma melhoria substancial no repasse do ICMS ao município, expectativas que não deixam de ser animadoras para quem  assume uma gestão municipal em tempo de crise.  Um oxigênio a mais para os primeiros meses de gestão.

Convém ressaltar que os números econômicos atuais de Imperatriz, mesmo com um Brasil em crise, são consideráveis. Nos últimos oitos anos o Produto Interno Bruto –PIB, que é  o conjunto de toda riqueza produzida pela cidade, triplicou;  subiu de dois bilhões de reais para seis. A renda per capita do imperatrizense , segundo informou recentemente   o ex-prefeito Madeira,  que era menos de 10 mil reais por ano subiu  para 25 mil reais.

E assim, mesmo diante do cenário de incertezas que grassa a vida nacional, Imperatriz ao ser comparada com os demais municípios brasileiros de igual porte, apresenta uma situação muito melhor,   o que não é ruim para o prefeito Assis Ramos no início de seu mandato.






Boa sorte prefeito Assis, sucesso na sua jornada!!!!