2/11/2016

Blog: realidade em tempo real na cobertura política


Como toda ferramenta tecnológica,  o blog desde sua concepção,  a cada ano passa por mudanças. Do layout das páginas - moderno a cada dia - até a articulação do conteúdo, e mesmo concorrendo com outras  ferramentas  de informação continua  prestigiado  e hoje se constitui  num  canal importante de mídia.   Esse é um fato.

O que no início era tido  apenas como um “diário virtual”, com o passar do tempo, se tornou “fonte de informação”  e de sobrevivência para milhares de  não jornalistas e jornalistas no mundo inteiro. A profissional do sexo anã curitibana Dafne,  mantém em seu blog, a essência do diário com os relatos de suas peripécias sexuais  e assim,  seleciona seus clientes. 

O jornalista de prestígio Ricardo Noblat -  um dos primeiros a fazer fama  como blogueiro político- é uma importante referência como usuário desta plataforma na produção de conteúdo de relevância social.

Em se tratando de Brasil, quando se fala em blog, a  empresa de tráfego online Sysomos,  informa que  o país já  aparece como o quarto  do mundo  em   números de blogueiros,  logo à frente do Canadá, que vem em quinto e logo atrás do Japão.  Em primeiro lugar isolado está os Estados Unidos, e o  Reino Unido vem em segundo.

É muita informação  em circulação no ciberespaço o que faz surgir fatalmente um desafio para quem manuseia a rede mundial de computadores para se informar:  encontrar um conteúdo que realmente informe/forme  na concepção técnica da palavra. Portanto, ao meu sentir, o grande problema no boom dos blogs hoje no país é de conteúdo e o que pode se extrair do conflito entre quem produz e quem consome esse conteúdo uma vez que tanto os blogs de alcance nacional, quanto os de alcance estadual e local encerram  interesses pessoais/ políticos/ econômicos/ideológicos visíveis e invisíveis, o que faz surgir a necessidade da formação de  um  consumidor  capaz de recepcionar criticamente esses conteúdos.

Percebe-se que, com as devidas exceções, que os blogs  de melhor conteúdo, no qual se inclui a preocupação com o vernáculo, a ética e com os princípios básicos do jornalismo  são aqueles  manejados por quem detém certa base de escolarização, o que não implica no maior número de acessos, uma vez que tanto em nível de Brasil, quanto em nível estadual e local, nós vamos encontrar excelentes blogs, mas com audiência sofrível.

Em nível  local o blog de maior audiência- o último dado do Google na terça-feira da semana passada, apontava às 10 horas da manhã, 35 mil acessos-  embora passei por certo conteúdo político, explora as tragédias urbanas ( assassinatos, acidentes com vísceras expostas,  e muito sangue). Se  optasse apenas pela cobertura política certamente não chegaria a esse patamar. Trata-se de um fenômeno a estudado.

Ainda ao se tratar de Imperatriz/Maranhão, os blogs apontados como políticos  aparecem mais como uma “ revista” onde o leitor pode encontrar um pouco de tudo.

Quanto à cobertura política propriamente dita, ela existe, mas percebo que pode  ser melhorada e ampliada. Outra observação a ser feita, com raras exceções,  é que  em muitos casos a  cobertura política na  chamada blogosfera deixa  de ser isenta já que  grande parte  dos titulares desses  espaços cibernéticos  tem algum tipo de comprometimento, seja ideológico/ político e econômico, o que compromete o produto  final, que deve ser visto com  certa elementar de criticidade, ou como diz um amigo, com  desconto.

Uma coisa tem-se a certeza: os blogs vieram para ficar e hoje formam  uma realidade que  diariamente, em tempo real, impactam o mundo da informação.





“O CARNAVAL DA GENTE” FOI UM DOS MAIS ANIMADOS E ORGANIZADOS DA REGIÃO.


Fecharam-se as cortinas!  O espetáculo acabou. Os “atores” se retiram  para  quem sabe , ano que vem , retornarem  ao “palco” com o mesmo vigor e alegria  exercitadas nesses quatro dias de carnaval em Imperatriz, um dos mais animados deste lado do Maranhão. 
A   festa  contagiou as ruas da “cidade velha” num clima, sobretudo, de confraternização entre os povos da cidade  ao som das antigas marchinhas de carnaval; uma tradição retomada pela  gestão do  prefeito Madeira por intermédio da Fundação Cultural de Imperatriz.  Guerra, só mesmo a de maizena. O clima foi de paz e tranquilidade  a festa inteira .

Gentes de todas as  idades durante o reinado de momo se incorporaram á folia. Uma das foliãs mais animadas era a “rainha dos eternos carnavais”,   título dado à Dona Ildenê  Milhomem, de família tradicional  que por anos foi a rainha dos grandes bailes de Imperatriz.  A experiência  de vida acumulada ao longo dos anos não foi empecilho para que ela brilhasse ao lado da ninfa Karol Fontes, eleita rainha do Carnaval de 2016.  Um encontro de gerações, sem conflito.

Neste  2016 o diferencial voltou a ser as fantasias, cada uma mais criativa  do que a  outra. Criatividade motivada pelo concurso {outra inovação   do  carnaval de Imperatriz}  realizado com premiações diárias.

Confira alguns registros  dos quatro dias de folia.