12/24/2011

Professores da Rede Municipal terão “14 salário”, anuncia Prefeito Madeira.



Prefeitura garante R$ 2 milhões para rateio entre professores

Na primeira reunião com a nova Diretoria Diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Imperatriz (STEEI) o prefeito Sebastião Madeira aproveitou  para  anunciar que os professores da Rede Municipal vão receber até a virada do ano  o “14 salário” como é chamado o abono,  resultado da sobra de recursos do   Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB).

 A princípio seria uma simples reunião de apresentação da nova diretoria mas ai o prefeito decidiu dar a boa informação aos professores.

Do encontro, da parte do governo, participaram da reunião, além do prefeito o Secretario de Educação Zeziel Ribeiro, o secretário de governo Hudson Alves e o secretario de administração Iramar Cândido.

“Queremos até o final do mês dar aos professores o abono salarial na ordem de 2 milhões e 73 mil reais, resultado do rateio do FUNDEB. Estamos fazendo tudo de acordo com a lei e reunimos a nova direção do STEEI para iniciarmos um bom diálogo e divulgarmos oficialmente que o rateio irá ocorrer. Agora assinamos um termo que oficializa o rateio e entregamos à presidência do STEEI”.
 Wilas, novo presidente do STEEI

Mostrando-se aberto ao diálogo em prol da educação de Imperatriz, Wilas Moraes, presidente do STEEI afirmou que “recebemos o sindicato com diversos problemas e dificuldades, mas estamos aprendendo a lidar com todos eles. Temos o objetivo de manter uma boa relação com a Secretaria de Educação e com a prefeitura para, através do diálogo, representar a categoria que nos elegeu”.

O que é FUNDEB?

O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) atende toda a educação básica, da creche ao ensino médio. Substituto do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), que vigorou de 1997 a 2006, o Fundeb está em vigor desde janeiro de 2007 e se estenderá até 2020.

A estratégia é distribuir os recursos pelo país, levando em consideração o desenvolvimento social e econômico das regiões — a complementação do dinheiro aplicado pela União é direcionada às regiões nas quais o investimento por aluno seja inferior ao valor mínimo fixado para cada ano. Ou seja, o Fundeb tem como principal objetivo promover a redistribuição dos recursos vinculados à educação.