10/21/2013

Plano de saneamento básico de Imperatriz será finalizado até julho de 2014



Depois do I Fórum de discussão realizado entre poder público e sociedade civil na sexta-feira (18), o representante técnico da empresa Pavicol Construções e Locações, responsável pela elaboração do Plano de Saneamento Básico do Município de Imperatriz, Francisco Robson Saraiva Martins, garantiu que o prazo final para a conclusão do Plano num prazo de nove meses.

“Estamos satisfeitos, pois a comunidade atendeu o chamado do poder público para a discussão do Plano. Das quase 200 entidades convidadas, cerca de 120 compareceram totalizando um percentual de 70% de participação na primeira rodada de discussões. Isso nos deixa tranquilos sobre as decisões aqui tomadas e o êxito das próximas etapas”.

O próximo passo, segundo ele, será a analise das discussões aqui levantadas, e realização da fase diagnostica. “Vamos analisar as sugestões colhidas e fazer o diagnóstico do Município em relação ao saneamento básico já existente, tratamento e fornecimento de água, limpeza urbana, drenagem de águas pluviais e os resíduos sólidos. Vamos levantar as necessidades, dividindo a cidade em micro regiões num prazo máximo entre 40 e 50 dias”, explicou Robson Saraiva ao enfatizar que o segundo encontro com a comunidade será o fórum de diagnóstico “uma forma de audiência publica” para apresentar os dados levantados e traças novas diretrizes de ação.

“A fase diagnostica é bem minuciosa e requer tempo pela necessidade da analise das demandas, mas concluída essas duas próximas etapas, temos a convicção de que o Plano de Saneamento será concluído até julho de 2014”, afirmou.

Porto: “Iremos encontrar os caminhos para enfrentar os problemas que a cidade tem nessa área ambiental”

 “O saneamento básico é um grande desafio para o Brasil”, diz o prefeito em exercício de Imperatriz, Luís Carlos Porto, ao participar sexta-feira (18) do fórum de trabalho para implantação do Plano Municipal de Saneamento Básico.

Segundo ele, a maior reclamação da comunidade é a ausência de investimentos dos governos federal, estadual e municipal em política de saneamento básico, fato que começa a ser discutido com a realização do fórum para elaboração do plano em Imperatriz.

“Nós, enquanto sociedade civil organizada, estamos preocupados com esse tema, pois acreditamos que iremos encontrar alguns caminhos para enfrentar os problemas que a cidade tem nessa área ambiental”, disse ele, que entende que “na condição de município organizado, compete reivindicar em nível dos governos federal e estadual recursos para minimizar ou resolver problemas graves na questão de saneamento básico de Imperatriz”, avalia.

Porto considera louvável a iniciativa pioneira do município que promove “esse fórum para discutir e elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico de Imperatriz”. “É uma demonstração que a cidade acorda para se organizar e encarar nova realidade, bem como propor soluções para que nossa gente viva melhor”, frisa.

O prefeito em exercício observa que “o município busca ter relevância neste novo tempo que exige dos gestores públicos criatividade e capacidade para resolver os problemas da comunidade de Imperatriz”.


Participação – O prefeito Porto lembra ainda que é de suma relevância a participação dos segmentos da sociedade civil organizada na elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico de Imperatriz. “Nós temos como contribuir e sugerir para que juntos possamos encontrar as soluções dos problemas nessa área ambiental”, concluiu.