10/21/2013

Restaurante Popular está sem atendimento por sobrecarga de tensão elétrica


O Restaurante Popular responsável por servir mais de 600 refeições diárias, beneficiando à população de Imperatriz com alimentação saudável, balanceada e de baixo custo, está sem atendimento ao público há quase duas semanas, devido a um problema de sobrecarga de tensão na rede de energia elétrica.

De acordo com as informações prestadas pelo coordenador do Restaurante Popular, Amauri Freitas, logo após a identificação do problema elétrico na unidade, imediatamente os órgãos competentes foram acionados.

“Conseguimos identificar o problema no Restaurante pela falta de água, após a bomba d’água ter sido danificada pelo aumento da tensão. Imediatamente chamados um técnico particular e logo foi constatado que a tensão estava alta. Também tivemos algumas percas em pequenos equipamentos como lâmpadas, ventiladores e aparelhos de ar condicionado. Entramos em contato com a Companhia Energética do Maranhão – CEMAR, que compareceu ao restaurante e informou que o problema foi identificado no transformador particular da unidade. No entanto, após minuciosa averiguação da equipe da Citeluz, realmente foi constatado que o problema era na rede da CEMAR e que teríamos que aguardar um pouco mais para reabrirmos o Restaurante”, detalhou Amauri.

As análises realizadas pelos técnicos da empresa Citeluz, confirmadas pelo Diretor do Departamento de Iluminação Pública do Município, Eronilson Santos, o problema se concentra na rede de média tensão.

“Foi realizada a medição no transformador do Restaurante Popular e constatado não haver nenhum problema que ocasionasse a elevação da tensão. O que se percebeu foi uma alteração de carga na rede de média tensão, de competência da concessionária de energia elétrica”, explicou Eronilson.

O certo, é que a coordenação do Restaurante Popular, revelou em entrevista que tem a esperança do problema se normalizar o mais rápido possível. “Espero que no início da próxima semana seja normalizado o fornecimento da energia elétrica da unidade e que o nosso público não tenha mais tantos prejuízos”. [ASCOM]