10/23/2013

Restaurante Popular voltou a funcionar nesta terça-feira



“Mesmo com tensão elétrica ainda alterada, o restaurante volta a funcionar para atender a necessidade da população”, diz coordenador.

Após 19 dias sem atendimento ao público, devido à sobrecarga de tensão na rede elétrica, o Restaurante Popular de Imperatriz, retomou o atendimento ao público nesta terça-feira (22).  O retorno só foi possível devido a uma medida paliativa pensada pela coordenação do Restaurante.

“Quero informar que o restaurante ainda está com sobrecarga de tensão elétrica. Porém, não tem como perdurar esse fechamento forçado e pensamos em reabrir tomando os devidos cuidados de prevenção no uso dos equipamentos. Deixamos de usar alguns aparelhos e os equipamentos essenciais como a bomba d’água, por exemplo, serão utilizados somente no horário de pico”, esclareceu Amauri Freitas, coordenador do órgão.

Antonia Lucineide Nascimento, 45 anos, diz que frequenta o restaurante desde a inauguração; ela observa que ficou sabendo que o atendimento seria normalizado e que pediu ao esposo que fosse ao restaurante confirmar. “Meu marido veio ver se o Restaurante estava funcionando e me avisou. Acredito que o povo estava sofrendo sem esse serviço disponível, porque as pessoas precisam de um espaço como esse que ajuda muito numa área tão importante da vida da população que é a alimentação”, disse.

Para Michael Wanderson Miranda, estudante, que almoça no restaurante desde que chegou à Imperatriz, quando passou na Universidade, em 2010, sua rotina agora voltou ao normal. 

“Desde o mês de agosto de 2010 me alimento no restaurante, porque estudo e moro sozinho, além de ficar perto da Universidade. Com o restaurante parado me virava com macarrão instantâneo e arroz com ovo. Foi um alívio a volta do funcionamento do restaurante. Agora tenho alimentação saudável e me ajuda no dia-a-dia”, observou Michael.

O Restaurante Popular retomou o atendimento servindo inicialmente 400 refeições/dia, a fim de atender ao público que comparecesse à unidade e até que a clientela esteja ciente que o funcionamento foi normalizado.

Sara Ribeiro-ASCOM