9/09/2014

Obra da Rua D. Pedro II prossegue com drenagem nos pontos críticos


O saneamento vai garantir a qualidade dos serviços ali realizados.

            Os trabalhos de drenagem da Rua D. Pedro II prosseguem acelerados e a qualidade dos serviços vem sendo assegurada pela Prefeitura Municipal de Imperatriz que a realiza em parceria com o Governo do Estado do Maranhão. A obra tem previsão de ser concluída no prazo máximo de 180 dias.

            Com a conclusão dos trabalhos, que contempla completo asfaltamento, no prazo mencionado, a Rua D. Pedro II, uma das mais antigas, vai ligar o centro da cidade com a Avenida Luis de França Moreira, cuja Avenida dá acesso a ponte Dom Affonso Felippe Gregory e, consequentemente, ao estado do Tocantins, por via terrestre.

            A obra em questão vem ganhando elogios por parte de moradores daquela e perímetro urbano, bem como das pessoas que moram em outros bairros de Imperatriz, mas que, por força da necessidade, com certa constância precisam transitar entre os dois estados para trabalhar ou tratar de negócios.

            Morador do Bairro Santa Rita, mas com negócios no estado do Tocantins, o autônomo José da Costa Ferreira Filho, 38, disse que a obra vai dar uma nova mobilidade urbana o que ele considera primordial no trânsito de Imperatriz. “Com a pavimentação da Rua D. Pedro II o trânsito para o estado do Tocantins e vice-versa vai fluir ainda mais”.

            Do mesmo modo opina a senhora Maria de Nazaré Almeida Costa, 29, moradora da cidade de Augustinópolis (TO), que vem a Imperatriz constantemente para tratar de assuntos de seu interesse. “Toda vez que venho a Imperatriz tenho que circular pela BR-010 na ida e vinda, com a conclusão dessa obra sigo direto do centro e com isso ganho mais tempo”, observa.

            De acordo com o titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Sinfra), engenheiro Roberto Alencar, a obra fruto do convênio No. 232/2013 vem sendo acelerada para que possa ser concluída antes das rigorosas chuvas previstas para os meses de fevereiro e março.


            O secretário afirma que os serviços de drenagem são altamente necessários, uma vez que parte de um perímetro da via pública é cortada por uma pequena lagoa, que se avoluma durante o período do inverno. “Daí a necessidade de se realizar essa obra de drenagem profunda”, observa o mestre de obras. (Domingos Cezar/ASCOM)