11/05/2014

“O sistema de saúde municipal de Imperatriz vai bem” avalia Hamilton Miranda.



Para o parlamentar em quase todo o Brasil o sistema  já quebrou, mas em Imperatriz funciona bem.

O vereador presidente da Câmara Municipal de Imperatriz Hamilton Miranda (PSD)  disse ontem em entrevista à imprensa, logo após a primeira sessão ordinária da semana,  que a “saúde pública no Brasil está quebrada” e que a prova são as inúmeras matérias veiculadas quase todos os dias nos veículos de comunicação do País,  e que isso ocorre porque o Governo Federal  há muito deixou de priorizar esse setor.

O tema da saúde predominou na sessão desta terça-feira. Em entrevista à imprensa o parlamentar reiterou que apesar das dificuldades em Imperatriz a gestão do prefeito Madeira à duras penas mantém o sistema de saúde em funcionamento,  diferente de muitos municípios  onde os gestores praticamente  jogaram a toalha.

 “Aqui a coisa funciona! Quem precisa, pode até demorar, mas é atendido” disse o vereador ressaltando que em Imperatriz o sistema opera porque o financiamento é completado com parte dos recursos  que o município  consegue arrecadar, e graças à capacidade  de gestão da secretaria de saúde Conceição Madeira

Na mesma entrevista o vereador lembrou que quem  é bem atendido não procura a imprensa  para agradecer, e nem deve, uma vez que a gestão cumpre  com sua obrigação;  agora,  basta uma demora, uma questão pontual qualquer para “cair uma banda do mundo”. Mostre-me um hospital no Brasil que não tenha fila?”  Questionou.
          
   Hamilton Miranda analisou como uma espécie de tentativa de intervenção o fato de alguns de seus colegas proporem  a demissão da direção do Hospital Municipal.   Recorrendo a uma figura de linguagem ele disse que o “Poder Legislativo não pode intervir junto ao Poder Judiciário, pois cada um precisa desempenhar o seu papel. Se acontecer isso,  daqui a pouco estaremos assistindo o Poder Judiciário interferindo nos poderes Legislativo e Executivo”,

Para o vereador se houver essa “intervenção”  o Judiciário poderá solicitar explicações sobre os projetos de leis que ainda não foram votados, e os vereadores, questionar os motivos que os processos não estão sendo julgados. “Quem está no cargo do Executivo possui a prerrogativa de admitir ou exonerar. Não estou aqui exercendo a função de líder do Governo, mas esclarecendo os fatos”, frisou.

Com o objetivo de pacificar o debate Hamilton  propôs ao vereador Raimundo Roma, membro da Mesa Diretora, que obtivesse maiores informações sobre o funcionamento do setor da saúde pública junto à secretária Conceição Madeira.

Entende o parlamentar que existem muitas pessoas colocando culpa na secretária por conta dos problemas enfrentados hoje pelo sistema de saúde de Imperatriz “o que  não é o seu caso vereador Roma; bem como no diretor administrativo do Hospital Municipal de Imperatriz, (HMI), o Socorrão”, disse.

Para ele, “a intenção dos críticos  talvez sejam pegar o ‘mais fraco’, pois lembra que o diretor-administrativo é filho de um motorista, pai de família [com filho deficiente] e pessoa de confiança da secretária de Saúde, Conceição Madeira”. O setor da saúde de vai bem em Imperatriz, apensar das dificuldades enfrentadas pelos municípios, pois ao contrário de muitas outras cidades brasileiras temos assistido na televisão reportagens sobre o colapso nessa área”, compara.

O vereador-presidente ressalta que durante o período de campanha eleitoral os temais mais discutidos foram saúde e educação, onde lembra que foram disponibilizados R$ 29 milhões no orçamento da saúde para custear despesas operacionais. “Já imaginaram se não tivesse colocado mais recursos para o setor da saúde de Imperatriz!”, questionou.

                “Nós vereadores estamos cumprindo com o nosso papel; talvez quem não esteja cumprindo com o seu papel são os vereadores da oposição, pois sairei dessa Casa de Leis de cabeça erguida”, concluiu