5/14/2015

SETRAN reforça a sinalização horizontal nos bairros e centro de Imperatriz


Organizar o trânsito da cidade e garantir mais segurança para os motoristas e, principalmente, aos pedestres que transitam pelas ruas e avenidas de Imperatriz. Esse é o objetivo do trabalho realizado pelas equipes da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Setran) que intensificou o serviço de recuperação e manutenção da sinalização horizontal das vias, incluindo faixas de pedestres, indicativo de ‘Pare’, sentido de direção, orientação de carga e descarga e de vaga especial.

O secretário José Ribamar Alves Soares, o cabo J. Ribamar (Setran), explicou à reportagem, durante entrevista concedida nesta semana, que a medida visa orientar os motoristas e diminuir os acidentes de trânsito nas vias urbanas dos bairros da grande Imperatriz. “A descentralização desse trabalho contempla ainda o reforço de sinalização em frente aos prédios escolares, instituições e órgãos”, frisa.

Ele salientou que “é importante a conservação das placas novas e as existentes na cidade para que as pessoas não fiquem prejudicadas, especialmente quando da travessia em faixas de pedestres e de acesso a logradouros”.  “Esses cruzamentos com semáforos estão recebendo o reforço da sinalização, onde iniciamos esse trabalho pela nova Avenida Dorgival Pinheiro de Sousa, no Centro”, assegurou.

O trabalho de reforço da sinalização horizontal também será feito na Avenida Getúlio Vargas, bem como em diversos bairros que dispõem de cruzamentos sinalizados com semáforos. “Essa sinalização [horizontal e vertical] deverá melhorar de forma considerável em toda cidade de Imperatriz”, garante.

Campanha – 

O secretário enfatiza ainda o trabalho de educação para o trânsito objetiva conscientizar os motoristas sobre a necessidade de respeitar a legislação brasileira, evitando irregularidades e acidentes nas vias urbanas de Imperatriz. “Imperatriz é uma das cidades do Maranhão que mais dispõe de ações voltadas para o trânsito, sendo a única a conseguir reduzir os índices de acidentes no período de 2009-2014, na ordem de 35%”, finaliza. [Gil Carvalho – ASCOM]

Fotos: Sidney Rodrigues