12/28/2016

A Saúde mesmo com escassez de recursos e recebendo pacientes de mais de 100 cidades, conseguiu nesses 8 anos manter os serviços e o atendimento a população de Imperatriz


Programas implantados, exames e cirurgias de alta complexidade, reformas e ampliações nas zonas urbana e rural, aquisição de novos aparelhos, novas ambulâncias e campanhas fizeram a diferença
           
Ao fazer uma avaliação da sua gestão no decorrer deste e dos anos anteriores no município, a secretária de Saúde Conceição Madeira relatou as dificuldades de gerenciar as questões da saúde pública de Imperatriz, ressaltando que mesmo em momentos de crise foi possível obter melhorias a partir de investimentos em alguns setores.

            “Gerir uma saúde que tem o ônus de receber milhares de pessoas, mas que não tem o bônus do recurso completo para resolver os problemas é muito complexo. Contudo, em 2016 ainda conseguimos manter os programas implantados ao longo da gestão e ainda implementar algumas melhorias”, afirma Conceição Madeira ao falar dos custos que tem para manter o funcionamento do Hospital Municipal de Imperatriz e a Atenção Básica do Município.

            A secretária ressalta que gerenciar a Saúde Pública no Brasil não é uma tarefa fácil. “Em tempo de crises a situação torna-se mais complicada!”, exclama. Conceição destaca ainda que o fato de Imperatriz ser um pólo torna a gestão da Saúde ainda mais complexa. “Pessoas de diversas cidades da região recorrem aos serviços oferecidos aqui – consultas médicas, exames e cirurgias de alta complexidade”, informa.

            De acordo com informações da secretária, Imperatriz conta hoje com um leque de especialistas na Rede Pública de Saúde que atende praticamente todas as áreas – um atrativo para os cidadãos que moram aqui no entorno e não dispõem de especialidades em seus municípios. “Isso faz com que muitas vezes percebamos a existências de filas de espera para consultas e cirurgias realizadas pela Secretaria Municipal de Saúde de Imperatriz e que favorece cidadãos de outras cidades dos Estados do Para, Tocantins e Maranhão”, disse.

            No entanto, segundo Conceição Madeira, mesmo com a redução dos recursos, os serviços da área da Saúde foram sempre priorizados pelo prefeito Sebastião Madeira. “Em 2015 mesmo com as dificuldades e a ‘escassez das verbas’ avanços puderam ser notados, bem como Reformas e Ampliações de Unidades Básicas de Saúde da Zona Urbana e Rural, Aquisição de novos aparelhos, novas ambulâncias e ainda as campanhas de Prevenção e Promoção a saúde”, observa a secretária.

            Já em 2016, as dificuldades foram maiores, contudo, a estrutura do serviço foi mantida. Além disso, a Prefeitura ampliou o número de cirurgias para fechamento de fissura labial em Imperatriz. As intervenções fazem parte do processo de reabilitação oferecido pelo Centrinho – um serviço fruto da parceria entre  Prefeitura e Devry Facimp. Desde o início da parceria com a Prefeitura já foram realizadas mais de 300 cirurgias. Em 2007 quando tudo começou, eram realizadas apenas de três a cinco cirurgias por mês, com a ampliação do serviço, a Prefeitura passou a realizar cerca de 15 cirurgias mensalmente, sendo que está operando com uma capacidade para atendimento de um número ainda maior.

            Outro grande destaque de 2016 foi a entrega da UPA SÃO JOSÉ – Construída em parceria como Governo Federal, a unidade foi entregue pela Prefeitura em julho deste ano. De suma importância para os moradores da região do grande Santa Rita, São José, Planalto, Boca da Mata e adjacências, a UPA era bastante esperada e foi recebida em clima de festa pela comunidade que hoje tem acesso a atendimento de urgência em saúde mais próximo de sua casa.

            A Rede de Saúde Mental do Município ganhou vários prêmios de experiência exitosa pelo trabalho desenvolvido junto aos usuários da Rede de Saúde Mental em Imperatriz. No 4º Congresso de Secretarias Municipais de Saúde realizado em Palmas no período de 18 a 20 de abril, por exemplo, a experiência do grupo gestor do CAPSIII DE Imperatriz levou o 6º lugar no quesito 2ª Mostra da Atenção Básica.  E na mostra - Atenção Básica: Especificidades nas Regiões Norte e Nordeste, a experiência do grupo gestor da Saúde Mental de Imperatriz foi O ÚNICO DO Maranhão, e segundo da Região Nordeste premiado, ficando em 6º lugar no ranking geral. O projeto surgiu em 2013 e visa a melhoria das condições de trabalho na Rede de Saúde Mental, por meio de ações que contemple a ação e a formação.

            Quanto ao bom funcionamento dos programas já existentes, ganhou destaque em 2016 o Consultório na Rua e Unidade Móvel de Prevenção e Combate ao Câncer que foram os escolhidos do Maranhão para serem exibidos no “Canal Saúdena Estrada”, criado e gerido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. O canal está disponível na multiprogramação da TV Brasil e em rede aberta no Sistema Brasileiro de TV Digital. 
            Em Imperatriz, os exitosos programas tem sido referência para outras regiões do país, inclusive sendo destaque no programa televisivo. A TV mostra Brasil a fora o bom funcionamento de projetos vinculados ao SUS. Vale ressaltar que além do nosso Estado, na região Norte/Nordeste em 2016 foram mostradas experiências da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Tocantins.

Unidade Móvel  Os pacientes atendidos na Unidade Móvel que tem diagnósticos suspeito já passam pelo especialista automaticamente, sem a necessidade de ir atrás de marcação de consulta. Os exames complementares também já são marcados e autorizados pela equipe da Unidade Móvel que dar sequencia ao atendimento que o usuário necessita. Vale ainda ressaltar, segundo Vilenice, que o paciente diagnosticado com câncer por meio da Unidade Oncológica inicia o tratamento bem antes do tempo determinado por lei (no máximo 60 dias após o diagnóstico), o que possibilita maiores chances de cura do paciente “que tem se demonstrado contente com nosso atendimento!”, destaca a coordena­­dora.


Consultório na Rua – Funcionando em Imperatriz há cerca de cinco anos, o Programa Consultório na Rua, leva a centenas de pessoas, atendimento emsaúde, possibilitando uma nova realidade aos moradores em situação de rua, que passam a ter uma expectativa de dias melhores. O Projeto, mantido pela Prefeitura Municipal de Imperatriz por meio da Secretaria de Saúde leva atendimento clínico aos moradores de rua independentemente dos locais onde eles se encontram. Praças e Postos de Gasolina são os principais pontos visitados diariamente, pois são os lugares que servem como ponto de encontro destas pessoas.


O Programa já reconhecido regionalmente pela excelência com que desenvolve suas atividades. Hoje o programa atende cerca de duzentas pessoas, entre elas, moradores de rua, usuários do centro POP e internos do Centro Terapêutico. Estas pessoas são acompanhadas regularmente por uma equipe multidisciplinar, composta por Médico, Enfermeiro, Assistente Social, Técnicos de Enfermagem, Psicóloga e Agente Social.

No Hospital Municipal Municipal Socorrão, os serviços beneficiaram milhares de pessoas, cerca de 180 mil atendimentos foram realizados em 2016, entre consultas, internações, exames e cirurgias. 

Na Atenção Básica, Além de manter as 45 Unidades Básicas de Saúde, que receberam melhorias e ampliação de seus ambientes proporcionando um acolhimento de melhor qualidade, a secretaria melhorou a assistência médica, farmacêutica e de enfermagem prestada na Atenção Básica – que recebeu novos profissionais médicos ao longo de 2015 e 2016. Em 2016 foi entregue também uma nova Academia da Saúde localizada dentro do Complexo Esportivo Barjonas Lobão e iniciada a construção de outra na Praça União – Rua Dom Pedro II.

Novos Médicos Contratados – Além da ampliação no quadro de profissionais da Atenção Básica, novos médicos foram contratados para atuar no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) por meio de seletivo. “A ampliação do quadro de médicos é essencial para o atendimento das demandas, visto que isso possibilita uma maior cobertura dos serviços, melhorando a qualidade do atendimento tato na Atenção Primária - onde mais de 80% dos problemas de saúde podem ser resolvidos, quanto nos serviços de Urgência e Emergência como é o caso do SAMU”, observa a secretária ao falar da ampliação do quadro médico da secretaria.

Programas - Na atenção Básica, destaca-se ainda o funcionamento de Programas como o SAD – Serviço de Atendimento Domiciliar. Imperatriz foi o primeiro município do Estado a implantar o Programa que funciona desde 2013 e atende atualmente cerca de 60 pacientes. Mantido pela Prefeitura, o SAD atende pessoas adoecidas que necessitam de cuidados médicos em casa. Ao falar em programas, segundo a secretária não poderia deixar de citar também a atuação do Programa Municipal de Imunização que cumpre rigorosamente todas as metas propostas pelo Ministério da Saúde, realizando coberturas vacinais sempre acima de 85%.

Tratamento de Câncer - Quanto a área da Oncologia, Conceição destaca que em 2016 Cerca 23.500 (vinte e três mil e quinhentos) atendimentos entre consultas, exames e pequenas cirurgias foram realizados só na Unidade Móvel; sendo que até julho, 432 casos de câncer foram diagnosticados e tratados na Unidade. “Além disso, outro grande destaque na oncologia foi o funcionamento da Radioterapia em 2015 e que foi mantido em 2016 aqui em Imperatriz. Em parceria com o Governo do Estado os atendimentos beneficiam os usuários que antes necessitavam sair da cidade para buscar o tratamento em outros municípios”, destaca a gestora.

Informações adicionais

Público atendido pelo HMI – Segundo dados do Departamento DASIS, dos pacientes atendidos no Hospital Municipal de Imperatriz 46% são moradores de outros municípios que gastam 54% do valor total da receita destinada a saúde de Imperatriz. 15% são do Estado do Tocantins e 17% do Pará e 14% são de outras cidades do Maranhão; sendo que das 217 cidades do MA atendemos até 147 municípios esporadicamente e 94 municípios com freqüência.   De acordo com o plano de pactuação vigente, Imperatriz deveria atender apenas 44 municípios do Estado do Maranhão, além de Imperatriz.

Maria Almeida/Sidney Rodrigues-ASCOM