1/10/2013

Famílias sorteadas no projeto Minha Casa, Minha Vida, devem procurar Defesa Civil



Elas terão até o dia 31 de dezembro para se regularizarem junto à CEF

Domingos Cezar
           
          O superintendente municipal de Defesa Civil, Francisco das Chagas Silva, o Chico do Planalto, demonstrou preocupação com os (as) chefes de famílias que residem em áreas consideradas de risco (alagamento e encostas de riachos), que ainda não procuraram a sede da Defesa Civil para requerer o laudo de vistoria expedido pelo órgão.

            Chico do Planalto explicou que essa é também uma preocupação do prefeito Sebastião Madeira, que tem procurado, dentro do possível, carrear para o município, o maior número de programas sociais do governo federal, para mantê-los em parceria com a Prefeitura Municipal de Imperatriz.

            Entre esses programas consta, o “Minha Casa, Minha Vida”, que construiu 1.900 casas populares em um conjunto habitacional instalado nas margens da BR-010, na saída para Brasília. Destas, 386 residências serão destinadas para as famílias que atualmente moram nas consideradas áreas de risco.



            De acordo com o superintendente, das 386 famílias cadastradas, apenas 138 não requereram o necessário laudo de vistoria expedido pela Defesa Civil. “Essas pessoas devem procurar imediatamente a sede da Defesa Civil para requerer o laudo, que será anexado junto aos documentos da casa para serem entregues na Caixa”, avisa.

            Chico do Planalto alerta que essas pessoas tem o prazo de até 31 de janeiro para requisitar a vistoria. “Quem não requerer dentro do prazo estabelecido, elas correm o risco de serem afastados do programa e, consquentemente, não receberá sua casa”, afirma o superintendente, observando que a Defesa Civil, até o momento, fez 220 vistorias.

            Ele alertou ainda que, após as vistorias do programa “Minha Casa, Minha Vida”, a Defesa Civil do Município vai intensificar as vistorias nos postos de combustíveis, postos de venda de GLP (gás de cozinha), bares e similares, casas de show e comércio em geral, “para que todos possam garantir as necessárias medidas de segurança para a população”.

            Rio Tocantins – Muito abaixo do seu nível para o período em que estamos vivendo, as águas do rio Tocantins não sobem, nem descem, há mais de uma semana. Esse fator está deixando intrigado todas os ribeirinhos, pescadores e todas as pessoas que sobrevivem do trabalho exercido por esses profissionais.

            Conforme informa o superintendente Chico do Planalto, esse fenônemo está ocorrendo em função da estiagem por qual passa várias áreas do Brasil. “Com isso, tanto a hidrelétrica da Serra da Mesa, quanto a do Lajeado e Estreito estão segurando as águas objetivando manter seus reservatórios dentro de seus limites operacionais”, conclui.