11/11/2013

Luís Fernando é um homem honrado e capaz, diz Pastor Porto em entrevista ao jornalista Rober Lobato;


Em entrevista ao jornalista Robert Lobato o vice-prefeito de Imperatriz  Pastor Porto (PPS) fala sobre as eleições de 2014. Na entrevista   Porto defende  o lançamento de candidatura própria mas não deixou de destacar as virtudes do  pré-candidato do PMDB  o professor Luís Fernando, a quem reputa como um homem honrado preparado e capaz.

Abaixo a integra da entrevista:   

Cristão, homem de fé, temente a Deus, natural da cidade de Imperatriz, Porto falou sobre religião, poder, política e contou como foi a sua experiência como vice-governador do Maranhão, e como está sendo a atual experiência como vice-prefeito de Imperatriz.
Pastor Porto falou ainda sobre a decisão do TSE que se julgou incompetente para cassar diploma de governadores, parceria institucional da Prefeitura de Imperatriz com o Governo do Estado, gestão do prefeito Madeira, criação do Maranhão do Sul, eleições 2014 etc.
O Blog do Robert Lobato aproveita para agradecer a disponibilidade e generosidade do Pastor Porto pela boa entrevista concedida a esta coluna. Veja:

“Existem dois gigantes na política atual do Maranhão: Sarney e a oposição a Sarney. O PPS tem proposto uma terceira via, apresentando uma pré-candidatura própria para 2014. Lutaremos para emplacar nosso projeto no coração do povo maranhense”.


PASTOR PORTO POR ELE MESMO
Sou filho do seu Zeca Porto e dona Santa Porto. Último dos 11 irmãos (todos vivos), imperatrizense de nascimento. Casado com Cristina (ludovicense) e pai de Diego, Nayane e Gabriel. Depois que aprendi a ler, fiz do livro um amigo inseparável. Daí, a visão do mundo e a sede por justiça social.
RELAÇÃO COM DEUS
Relação com Deus passa por um encontro. Em 1978 tive uma experiência de encontro com o Senhor. Tinha 19 anos. Entreguei minha vida ao Senhor Jesus Cristo, e desde então tenho tentado servi-lo em todas as áreas da vida. Estudo, medito, creio e prego a Palavra de Deus. Mas, ainda, sou um pecador. Um pecador que busca a santidade diariamente.
A FÉ EVANGÉLICA
Nasci na fé evangélica na Igreja Presbiteriana do Brasil em 1978. Depois que fiz Administração Publica na UFPA(1980), estudei 4 anos de teologia no Seminário Presbiteriano do Recife; fiz mestrado e doutorado numa faculdade de teologia Reformada (presbiteriana) em Londrina, por 6 anos. Sou pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil desde 1986. Estou em pleno exercício do meu ministério pastoral como conferencista/palestrante na condição de pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana do COHATRAC, onde prego regularmente e presto contas das minhas conferências e palestras. Envio meu dízimo todo mês para o Presbitério de São Luís. Minha esposa e eu ministramos em quase todas denominações evangélicas do Brasil.
A IMPORTÂNCIA DA RELIGIÃO PARA A HUMANIDADE
Existe religião com Deus e religião com deuses. Existe religião alienante e religião engajada. Existe religião que amordaça e religião que liberta. Mas quero falar só do cristianismo. Uma pessoa que entrega sua vida inteiramente nas mãos do Senhor Jesus Cristo, infalivelmente terá o caráter de Cristo no seu viver diário. Será um marido melhor, um pai melhor, um filho melhor, um patrão melhor, um empregado melhor, um político melhor. Será tolerante, honesto, fiel no casamento, engajado nas causas sociais. Um cristão autêntico contribui para que a sociedade seja o Admirável Mundo Novo.
O ENCONTRO COM A POLÍTICA
Quando menino meu pai me levava para os comícios. Às vezes fugia, vestido só de calção, subia no caminhão e ficava ao lado do orador sonhando um dia ser igual a ele. Fiz Administração Publica por desejar um dia ser politico em Imperatriz. Mas Deus me chamou para o Sagrado Ministério. Foram 20 anos de tempo integral na igreja. Era o laboratório. Estudei. Fiz cursos em Amsterdã na Holanda, Seul na Coréia, Pretória na África do Sul. Um dia chegou a hora de voltar para minha terra. Desenvolvendo em Imperatriz o que chamamos na teologia de Missão Integral, foi um passo para ser encorajado e convidado para uma militância política partidária.

OPÇÃO PARTIDÁRIA
Quando o então candidato a presidente da Republica Antonhy Garotinho foi a Belo Horizonte, resolvi ajudá-lo, e assim me filiei ao PSB. Durou pouco tempo. Na campanha, ele circulou um CD nas igrejas evangélicas, gravada por um juiz, e entendida por mim como manipulação do povo evangélico. Preguei contra e votei no Lula. Quando fui escolhido para ser o vice-prefeito com o Jomar Fernandes, fui filiado no PPS.
A INDICAÇÃO PARA SER O VICE-GOVERNADOR DE JACKSON LAGO
Eu estava muito engajado com a vida religiosa, cultural, social e política de Imperatriz. Tinha programa de TV, de rádio, escrevia no O Progresso, publicava livros, presidia a Academia de Letras e a Associação dos Pastores. Paulo Matos me conheceu e falou a meu respeito para o Dr. Jackson. Pediram pra colocar meu nome para deputado federal. No outro dia já dava entrevista na TV. Sem eu saber, Dr. Jackson decidiu escolher um vice evangélico. Não acharam a pessoa com o perfil em São Luís (mesmo tendo em abundância). Aqui em Imperatriz havia uma forte campanha “O VICE TEM QUE SER DE IMPERATRIZ”. Um dia, enquanto orava, o telefone tocou. Do outro lado alguém falou:”Aqui é Jackson Lago… Eu não conheço o senhor”. Retruquei imediatamente: “Também ainda não tive o prazer de conhecer o senhor!”. E ele acrescentou: “O seu nome foi indicado e eu queria ter a honra de ter o senhor como meu companheiro de chapa!”. Pedi dois dias pra orar e pensar no assunto. O resto, é uma história belíssima que todos conhecem.
A EXPERIÊNCIA DE VICE-GOVERNADOR

“Andei vários dias com um jornal na mão, de casa em casa, à procura de uma sede para a vice-governadoria, pois o Palácio Henrique de La Roque já estava ocupado com hóspedes que mais pareciam proprietários. Positivamente, convivi com o Dr. Jackson (apesar da blindagem)”

Toda experiência tem um lado positivo e outro negativo. Os adversários nos provam para nos reprovar, mas Deus nos prova para nos aprovar. Negativamente, sofri da parte do fogo amigo e da oposição; desta, principalmente na mídia. Lembro que convenceram o governador que eu deveria assumir a Secretaria do Sul do MA, morando em Imperatriz. De boa fé o governador viu em mim a pessoa certa para cumprir um compromisso de campanha. Para o mentor da ideia, começava a operação MATA O PASTOR. Pedi ao governador dois dias para orar; depois mostrei para Dr. Jackson o desejo de fazer uma cruzada de cidadania pelo estado. Ele entendeu, ficou feliz e me liberou. Aguentei tudo em silêncio: sete meses trancafiado num quarto de hotel com minha família; isso por discordar de um orçamento abusivo na reforma da residência oficial; também andei vários dias com um jornal na mão, de casa em casa, à procura de uma sede para a vice-governadoria, pois o Palácio Henrique de La Roque já estava ocupado com hóspedes que mais pareciam proprietários. Positivamente, convivi com o Dr. Jackson (apesar da blindagem), homem bom, simples e honrado. Representei o governador varias vezes aqui, no Brasil e exterior. Conheci o Maranhão e o nosso povo. Ministrei palestras em 160 cidades. Penso que abri a mente de muita gente. Oportunidade ímpar para semear a boa semente. Acho que na história do Maranhão nenhum vice-governador tinha feito coisa igual. Tenho recordações extraordinárias daquelas viagens e o contato com o povo. Apesar do massacre, nosso governo fez muito pelo estado. Imperatriz foi muito assistida. Enfim, vi de perto como funciona o poder, a voracidade de alguns e a abnegação de outros. Fiz muitos amigos em todo o estado. Se tivesse o mesmo mandato, eu cumpriria a mesma missão, com muito prazer. Atualmente, cumpro essa missão nas escolas publicas do MA.
O PODER

“É repugnante o poder cercado de bajulação, de bastidores sombrios, de puxação de tapete, de ausência de princípios éticos.”

Quando existe uma obsessão por dominação de um povo, usando como expediente a manipulação e o sofisma, e ainda se apropriando do bem público, o poder é essencialmente maligno. Por outro lado, liderar pessoas, servindo-as como Jesus Cristo serviu, o poder é bom porque cumpre a missão sagrada de promoção da sociedade. É repugnante o poder cercado de bajulação, de bastidores sombrios, de puxação de tapete, de ausência de princípios éticos. É santo o poder que dá exemplo pelo estilo de vida, pelo altruísmo, pelo senso de dever e respeito ao povo. Para mim, Jackson Lago é o exemplo máximo, na história política do Maranhão, de uso do bom poder para poder ajudar as pessoas.
RELAÇÃO COM O EX-GOVERNADOR JACKSON LAGO?

Eu era um novato na política do Maranhão. Não era conhecido em São Luís, nem mesmo pelos evangélicos. E precisava conquistar pessoas e espaço. Quando alguns perceberam que eu era capaz de muito mais do que tão somente orar e ler a Bíblia no palácio, uma operação blindagem foi estabelecida. Daí, a necessidade de uma conquista diária de confiança. Acho que consegui. O governador tirou férias, viajou para o exterior. Exerci o governo, interinamente, umas cinco vezes. Nos tornamos amigos. Nos alegramos juntos e sofremos juntos.
O PROCESSO DE CASSAÇÃO

“Dr. Jackson morreu sob o fardo da injustiça!”

Nessa questão não sou romântico nem ingênuo. O processo de cassação do meu mandato e do Dr. Jackson foi o mais perverso golpe na história recente da democracia brasileira. Alguém pode até dizer que isso faz parte do processo político. Sim, reconheço. Mas só ocorre quando a política é iníqua. Quando a política é seria a democracia é respeitada. Teve gente que fez papel sujo, forjando provas. Teve gente que fez papel sujo nos altos escalões da Republica. Um homem honrado que sonhou e lutou para governar o seu povo, viu o seu sonho esmagado pela ambição dos poderosos. Essa mancha de maldade sujou a história do Maranhão para sempre. Dr. Jackson morreu sob o fardo da injustiça!
SUPERAR AÇÃO

“Já perdoei todos aqueles pecadores, mas acho que o Altíssimo puxará o tapete deles depois”.

Naquela noite saímos às pressas para um sítio de familiares, no Turu. Não queria ser expulso da casa oficial no dia seguinte. No meio da escuridão, cercado de árvores, caixas de livros e roupas jogadas no chão, sentei numa rede e fiquei em silêncio até o dia amanhecer. Não orei. Tentei ouvir a voz de Deus e compreender o porquê de tudo. Por outro lado, nosso filho menor, Gabriel, agarrado na mãe, perguntava:”Por que Deus nos abandonou?” (Não tenho como não chorar quando me lembro de tudo aquilo). Na linguagem de São João da Cruz (santo católico) aquela foi A NOITE ESCURA DA MINHA ALMA. O pior dia da minha existência. Não pelo poder perdido, mas pela vitoria da injustiça. Mas como “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”, sobrevivemos e vencemos. Eu e minha casa somos muito abençoados. Como diz a música, “MEUS ADVERSÁRIOS ESPALHARAM POR AÍ QUE EU TINHA MORRIDO, MAS OLHA EU AQUI DE NOVO!”. Já perdoei todos aqueles pecadores, mas acho que o Altíssimo puxará o tapete deles depois.
O TSE E A CASSAÇÃO DE GOVERNADORES

Nossos advogados disseram que o RCED (Recurso Contra Expedição de Diploma) não era o instrumento legal para aquela ação. Tudo em vão. Depois que cassaram o nosso mandato, e às vésperas de julgar a governadora do MA, o TSE reconhece que errou. Que descoberta extraordinária! Por que não descobriram antes? E o nosso mandato? Indignação é pouco. A justiça dos homens é imperfeita. Afinal de contas, somos imperfeitos. Mas a injustiça não justifica o TSE.
O MARANHÃO DO SUL?

Essa luta é antiga. Tem 3 causas: a distância geográfica da capital, o espírito empreendedor da população e a ausência histórica do Estado na região. O governador Jackson Lago rompeu essa distância quando montou acampamento em Imperatriz e região. Por isso, o assunto saiu de pauta por aqui. O povo só precisa ser amado pelos governantes com presença e políticas publicas. É simples. Alguns governantes são avessos ao simples.
A EXPERIÊNCIA DE VICE-PREFEITO
Ser vice-prefeito da cidade onde nasci tem sido uma grande honra. Ao lado do prefeito Madeira mantenho meu jeito de ser semelhante quando fui vice-governador. Dou expediente no gabinete, visito obras, visito a zona rural, represento o prefeito. Depois de cinco anos de mandato, o prefeito Madeira tirou férias pela primeira vez. Virei prefeito interino. Isso demonstra companheirismo, confiança e lealdade. Também é muito gratificante fazer parte de uma gestão exitosa. A cidade está avançando.
A GESTÃO DO PREFEITO MADEIRA
O prefeito Madeira fez um duplo desafio pra si mesmo: trabalhar mais no segundo mandato e consolidar a parceria com seu vice até o final. Acredito que os dois desafios serão alcançados com folga. Atualmente a cidade tem muitas obras em andamento. O prefeito continua motivado e obcecado pelo trabalho diariamente. O segundo mandato será muito melhor que o primeiro. Os sinais são claros, apesar dos críticos ferozes.

NO PALANQUE COM O PMDB
Quando decidi aceitar o convite do prefeito para ser o vice, o fiz pensando na minha cidade. Foi decisão do Madeira fazer aliança com o PMDB. Reconheço a importância disso para a eleição. Mas, sincera e honestamente, ganharíamos a eleição em qualquer cenário. Tenho muitos amigos no PMDB. Mas o PPS é oposição à eles no estado e no plano federal. Aqui, eles tem um pre-candidato a governador, e temos Eliziane Gama, nossa pré-candidata. Meus amigos da oposição cumpriram seu papel: choraram. Eu ganhei. Eles perderam. Mas, continuo na oposição. E amigo deles.
PARCERIA ENTRE O GOVERNO DO ESTADO E A PREFEITURA DE IMPERATRIZ

“O  prefeito Madeira fez bem em buscar os convênios para Imperatriz.”

Com esse pacto federativo injusto, o município é que tem pago o pato. As transferências federais e estaduais são insuficientes. Por outro lado, o prefeito sabe onde o sapato aperta. Nosso prefeito é muito responsável e foi reeleito por resolver e para resolver os problemas da cidade. Sendo responsabilidade do governo do estado em investir na cidade, o prefeito Madeira fez bem em buscar os convênios para Imperatriz. Quem ganha é o povo.
A CANDIDATURA PRÓPRIA DO PPS

“Não faremos o jogo de ninguém.”

Temos uma excelente pre-candidata, temos partido, temos alguma força política e eleitoral. Estamos conversando com alguns agentes políticos e lideres partidários. A decisão do partido é por candidatura própria. Mas estamos conscientes de que sem partidos coligados nenhuma candidatura subsiste. Mesmo porque também é prioridade do partido a viabilidade eleitoral dos seus deputados. Não iríamos para um suicídio coletivo. Neste momento estamos firmes e determinados. E não faremos o jogo de ninguém.
A DICOTOMIA SARNEYSISTAS x ANTISSARNEYSISTAS?
Existem dois gigantes na política atual do Maranhão: Sarney e a oposição a Sarney. O PPS tem proposto uma terceira via, apresentando uma pré-candidatura própria para 2014. Lutaremos para emplacar nosso projeto no coração do povo maranhense. Mas o cenário atual não me induz à uma certeza do fim dessa dicotomia. Talvez a história nos reserva o último embate entre esses dois gigantes. Em qualquer circunstância o PPS será protagonista desse processo. Chegando ao palácio será melhor.
FAVORITISMO DE FLÁVIO DINO
É uma parada indigesta para todos os concorrentes. Flávio Dino é um homem decente, preparado e determinado. Pode surpreender ainda mais com um apoio do governo federal. Se for eleito, acredito que será um grande governador. Mesmo os leões do palácio sendo historicamente fortes, invictos e vencedores, correm o risco de virarem cabritos no próximo ano.
A CANDIDATURA LUIS FERNANDO
Excelente candidatura também. É um homem honrado, preparado e capaz. Se for eleito governador, acredito que fará uma boa gestão. Em conversa comigo ele disse:”Pastor, reconheço que o senhor tem motivos políticos para não me apoiar. Quero, pelo menos, contar com sua amizade”. Respondi:”Tem a minha amizade, respeito e consideração”. Entre os dois, está Eliziane, com destacadas qualificações.
 O PROJETO PARA 2014?
Meu partido indicou meu nome para uma candidatura a deputado federal. Tenho dado passos nessa direção. Conto com o apoio do prefeito Madeira. Em duas pesquisas desta semana já apareço em primeiro lugar em Imperatriz. No tempo da justiça eleitoral espero ser surpreendido positivamente em todos os 217 municípios do estado. Estou nas mãos de Deus.
MENSAGEM PARA OS LEITORES

A respeito de Davi, rei de Israel, foi dito que ele “serviu a sua própria geração conforme o desígnio de Deus”. Luto para fazer parte do mesmo time que ele. Desejo o mesmo para todos os leitores e o editor do blog. Deus seja louvado! E VIVA O MARANHÃO, pois, como diz a Bíblia, brevemente “a justiça correrá nesta terra que nem águas no ribeiro”.