12/27/2014

Mais de 15 mil famílias de Imperatriz foram beneficiadas na área social em 2014


Por  Sara Ribeiro 

Programas da SEDES atenderam mais de dez mil famílias.  Mais de cinco mil foram contempladas no Programa Minha Casa, Minha Vida.

Nos últimos seis anos a Política de assistência Social implantada e desenvolvida pelo Município de Imperatriz vem ganhando destaque e sendo reconhecida pelos avanços alcançados graças à gestão atual. É notório o esforço do Prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, para garantir serviços, ações e projetos a serem desenvolvidos para as crianças, os idosos e os grupos que se encontram em vulnerabilidade social.

Em 2014 não foi diferente. A Prefeitura de Imperatriz, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social (SEDES), garantiu avanços extraordinários para a população de Imperatriz, a começar pela maior adesão já realizada no interior do Maranhão, destinada a habitação popular. Em parceria com o Governo Federal, por meio do Programa de Habitação, Minha Casa, Minha Vida, os imperatrizenses foram beneficiados com, exatamente 6.920 moradias, nos empreendimentos Itamar Guará I e II, Teotônio Vilela I e II, Sebastião Regis e Canto da Serra.  O programa mobilizou a cidade, que para as duas etapas foram mais de 30.000 inscritos.

Miriam Ribeiro, titular da SEDES, destaca com orgulho o papel decisivo de sua pasta no funcionalismo do Programa. “É a Sedes que exerce o principal papel na execução do programa de habitação, uma vez que disponibiliza material humano, nas etapas de inscrição, sorteio e montagem dos processos de documentações repassadas à instituição financeira responsável pela avaliação dos candidatos”, revelou. 

Sobre as moradias, mil unidades já estão habitadas, e para 2015 serão entregues as 5.920 casas que estão em fase de construção e acabamento. Os imóveis são estruturados e divididos por sala, cozinha, dois quartos, banheiro, área de serviço, instalação elétrica e hidráulica, armazenamento e aquecedor de água. É o sonho da casa própria que virou realidade!

Atenção à população em situação de rua


Atualmente, Imperatriz mantem patamar de cidade economicamente desenvolvida, polo da indústria e do comércio e a segunda maior cidade do Maranhão. Não diferente das grandes cidades começaram a surgir por aqui pessoas em situação de população de rua. Em sua maioria, são pessoas dependentes de álcool e drogas ou oriundas de outras cidades sem condições de retorno.
Neste ano, para resolver ou amenizar esse problema, tendo em vista que, de certo modo, é um problema de saúde pública, que, no entanto, o Município não pode agir com poder de polícia para retirá-los das ruas, foi implantado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP). Trata-se de um espaço fundamental para o processo de ressocialização das pessoas em situação de rua, oferecendo atendimento psicológico, inclusão das pessoas nos serviços e programas sociais e de saúde, agindo como facilitador da reinserção dessas pessoas no mercado de trabalho ofertando capacitações profissionais, retomada do convívio social e familiar, a construção do processo de saída da situação de rua e auxilio para o retorno ao seu local de origem.
Por designar-se um espaço de Centro dia, e seguindo uma recomendação do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), o espaço não oferece internação. Nesse sentido, a própria secretária, buscou parcerias de centros terapêuticos que pudessem ofertar esse serviço, e assim, garantir recuperação aos usuários do local.
“Desde a sua implantação já foram realizados mais de 100 atendimentos,com encaminhamentos para atendimento em saúde, retorno a cidade de origem através da doação de passagens, abordagens de rua, inserção no mercado de trabalho, capacitações e internações em Centros Terapêuticos, como Promic, Casa de Davi e Casa de Ruth”, informou Antonia Correia, Coordenadora do Centro Pop.
Aproveitando a estrutura do Centro dia, foi implantado no mesmo local um Albergue para homens, funcionando apenas à noite. Lá, o auxilio é para aquelas pessoas que não têm onde dormir e que iriam dormir na rua. Na chegada, além de preencher formulários, é entregue kit higiene e alimentação.
Cuidado com o Idoso


Outro avanço foi a transformação da Casa do Idoso em Centro de Referência de Proteção à Pessoa Idosa (CREPPI). A principal intenção foi reestruturar a Rede de Atendimento da pessoa idosa no sentido de ir além do Serviço de Convivência para um local de identificação e solução dos principais problemas relacionados ao idoso, sobretudo numa das questões mais importantes que é a violência contra os idosos.
Na realidade, segundo a própria secretária, o ato foi apenas simbólico e uma mudança de organização de fluxograma e nomenclatura tendo em vista que a Casa do Idoso já atuava como CREPPI há algum tempo. “Nós já tínhamos na Casa do Idoso todos os elementos de um Centro de Referência já realizando um trabalho diferenciado. Dentre todas as casas de atendimento ao idoso em Imperatriz, nenhuma delas funciona com a estrutura e os profissionais que dispomos, com Assistente Social, Psicólogo, Pedagogo, Nutricionista, Instrutores e coordenação”, relatou orgulhosa.
O outro extremo: cuidado com a criança

Enquanto municípios vizinhos de Imperatriz são notificados pelo Poder Judiciário com recomendações de instalação de abrigos para crianças e adolescentes que sofreram violação de direitos, desde o início da gestão Madeira o cuidado com a criança e o adolescente vem sendo prioridade. Atualmente, o município mantém três casas de acolhimento para crianças de 0 a 17 anos. São: Casa da Criança – 0 a 8 anos; Casa de Passagem – meninos de 9 a 17 anos e Casa Lar – meninas de 9 a 17 anos.

As crianças acolhidas recebem toda a atenção e cuidados necessários para que vivam normalmente, seguindo uma rotina diária, no sentido de terem os traumas sofridos amenizados, se possível. Durante o tempo que permanecem no abrigo são acompanhadas pela equipe multiprofissional formada por Psicólogo, Assistente Social, Pedagoga, Enfermeira e cuidadoras. Em 2014, foram abrigadas 95crianças e adolescentes, na qual 51 permanecem nos abrigos, 11 foram adotadas e 33 voltaram ao seio familiar. Elas ainda participam de atividades recreativas, como visitas ao shopping, ao cinema, atividades esportivas, com aulas de futebol, natação e judô.

Também voltado ao público infantil, o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), atende crianças oriundas de situação de trabalho infantil e do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI). São mais de 1.500 crianças, de 06 a 17 anos que frequentam 20 polos do SCFV próximos de suas casas, no contra turno escolar.
Nesses espaços, recebem alimentação saudável, reforço escolar, atividades lúdicas e culturais, além das brincadeiras infantis. São atividades que estimulam o aprendizado e reintegram a criança ao convívio infantil, sem preocupar-se em trabalhar para auxiliar nas despesas de casa. Para a secretária Miriam Ribeiro, “o SCFV é um espaço de amor, compreensão e carinho, onde voltam a ser crianças”.

Coral Curumim -

São oriundas do SCFV, as crianças que fazem parte do Coral Curumim, que em períodos festivos, sobretudo este em que estamos comemorando o Natal, encantam e emocionam grandes plateias em vários pontos da cidade. Fazem parte desse projeto, mais de 100 crianças, que recebem todo o apoio logístico de transporte, alimentação, vestimenta, instrumentos e músicos para que o resultado seja o mais satisfatório possível.

Para atendimento de alta complexidade também à criança e ao adolescente, o Município oferta os servidos do Centro de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS) que atende, orienta e presta serviços especializados aos indivíduos e as famílias que tiveram seus direitos violados. Em 2014 foram acompanhadas 539 pessoas em casos específicos de Violência a Mulher; Violência a Pessoas com Deficiência; Medidas Sócio educativas; Violência contra a criança e o adolescente e idosos.

Porta de Entrada da Assistência Social

Sem dúvidas, este foi o ano de consolidação do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), por intermédio dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), com a comunidade georeferenciada. “A cada os serviços ofertados pelo CRAS chegam às famílias que realmente precisam, atingindo pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social ou extrema pobreza”, garantiu Antonia Bastos, Diretora da Proteção Social Básica.
As principais mudanças ocorreram nas instalações do CRAS Santa Lúcia, que foi transferido para prédio próprio no bairro Recanto Universitário e no CRAS Santa Rita, que foi transferido para o bairro São José. Praticamente, os cinco CRAS instalados na cidade foram implantados na gestão atual, uma vez que havia somente uma unidade funcionando quando o Prefeito Madeira assumiu.

Juntos eles beneficiam todo o município com ações de prevenção de situações de risco, no fortalecimentodos vínculos familiares e comunitários através de serviços de Acolhida e Acompanhamento Psicossocial (com equipe técnica); grupos de convivência para crianças, adolescentes, idosos, mulheres e gestantes; cadastro único; encaminhamentos para a rede de serviço socioassistencial; palestras educativas, Inclusão Produtiva com cursos profissionalizantes, combate ao sedentarismo através das Academias Populares e atendimento ao Programa Bolsa Família, que na cidade são mais de 16.720 famílias beneficiárias.

Os CRAS também atuam em parceria com vários órgãos em ações coletivas, tais como: Casamento Comunitário – Projeto Justiça nos bairros; 16 dias de ativismo – Secretaria da Mulher; Manhã Cidadã – Natal solidário – UNISULMA, dentre outros eventos.

Geração de Renda

“Muitas mulheres garantiram uma nova profissão este ano”, enfatizou Miriam Ribeiro, sobre a inserção da mulher no mercado de trabalho, através dos cursos profissionalizantes promovidos pelos CRAS e pelo Centro de Inclusão Econômica e Social de Imperatriz (CIESI). Foram milhares de pessoas que receberam certificação profissional nesses espaços.

Outro programa que auxiliou na geração de emprego e renda para os imperatrizenses foi o Programa Nacional de Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC). Em parceria com o Sistema S (SENAI, SENAC, SEST/SENAT) e IFMA capacitou 2.278 mil pessoas em diversos cursos, principalmente nas áreas da beleza e da construção civil.

Acessibilidade

O Centro de Referência da Pessoa com Deficiência é um espaço que propicia o direito à convivência comunitária, lazer, cultura e atividades que desenvolvem as habilidades adaptativas e as potencialidades da pessoa com deficiência. É integrado ao Centro a equipe do basquete sobre rodas do CENAPA, recém-chegado de um Campeonato na modalidade realizado em Manaus – AM, onde trouxe a premiação de terceiro lugar para Imperatriz.


“É indubitável, portanto, que estamos no caminho certo, garantindo aos nossos usuários qualidade nos nossos serviços e acima de tudo, promovendo bem estar,oportunidade de crescimento e acolhendo as famílias que estão em situação de vulnerabilidade social. E, assim, continuaremos fazendo o melhor para a população de Imperatriz”,finalizou Miriam Ribeiro.