6/12/2015

O resgate da história de uma das maiores competições estudantis do interior do Brasil. A festa do esporte começa hoje


O evento ocorria sempre no final da tarde, no entanto, bem antes os empolgados atletas com seus uniformes coloridos “paitrocinados”, ou patrocinados por empresas, políticos, pelas próprias escolas, e muitas vezes resultados de “vaquinhas”, começavam a chegar com um sorrisão do tamanho do mundo para se posicionar na Rua Coriolano Milhomem e aguardar o horário da entrada triunfal no Frei Epifânio para a solenidade de abertura dos jogos escolares.

 Era emoção que não acabava mais e uma grande honra poder participar dos jogos, fosse como atleta ou técnico. Impossível não deixar correr uma lágrima no canto do olho na entrada do “fogo simbólico” ao som do clássico  Carruagem de Fogo,  e na hora do  tradicional juramento do atleta.

Se depender do secretário de Esportes Saulo Dino e de toda sua equipe, toda essa emoção  será revivida a partir das 17 horas e  no mesmo lugar. A única diferença é o número de  estudantes/atletas que este ano chega à casa dos nove mil que durante uma semana vão se digladiar nas quadras, piscinas, e pista de atletismo nos maiores jogos estudantis do interior do Maranhão, competição cuja força foi resgatada na gestão do prefeito Sebastião Madeira.    

 Vivi a emoção dos jogos escolares nos anos 1980 nos dois extremos: como atleta -  corri os 100, 400 e 800 metros rasos-  pelas escolas  Nascimento de Moraes (professor Itacy Barbosa),  Dorgival Pinheiro (professor Manoel Messias Alves dos Reis) e Graça Aranha (professor Ribeiro); e anos depois   como auxiliar-técnico e mais tarde técnico da Escola   Dorgival Pinheiro quando esta ainda pertencia à Prefeitura de Imperatriz. Com nosso empenho a escola Dorgival foi várias vezes campeã geral de atletismo. Exerci igual função também na antiga Escola Técnica Amaral Raposo a convite do  falecido professor Aldenir Barbosa.
 
O bom mesmo era ser campeão uma vez que com o título ganhava-se a oportunidade de representar a cidade nos Jogos Escolares Maranhenses, em São Luís.  Fiz  também esse caminho diversas vezes como atleta e também técnico.
 

Todo esse conjunto de lembrança vem à tona nos momentos que antecedem à abertura dos XXXIV JEIS,  evento majestoso, aqui lembrando o  ex-prefeito Ribamar Fiquene em cuja gestão foram  concebidos os Jogos Escolares no formato de hoje e   que marcou a  meninice  de muitos quarentões   da cidade como eu.

 A impressão que se tinha naquele tempo era de que a cidade parava por causa dos jogos.  A pé, de bicicleta, em automóveis, ou em ônibus alugados sob a responsabilidade dos técnicos, para todo lado que se olhava via-se os meninos-atletas chegando aos locais de competição.  Não havia muitos espaços e quase todas as modalidades eram realizadas no Centro Esportivo Barjonas Lobão,  Juçara Clube ou   no 50º BIS.

 Não querendo puxar sardinha para  meu esporte mais a pista de atletismo era a que atraia o maior número de expectadores,  e não era por acaso:  os pontos ali conquistados poderiam ser decisivos na contagem geral que determinaria, ao final de uma semana, o campeão geral dos jogos.

 A cobertura jornalística das competições era intensa, principalmente pelas rádios. Logo cedo os repórteres começavam a disputar os boletins oficiais emitidos pela comissão organizadora.  Era bom demais ouvir pela rádio  os resultados das competições coletivas e individuais e os destaques de cada partida ou corrida.
 Os JEIS, integram o calendário de eventos fixos da cidade, e como diria o jornalista Raimundo Primeiro  em “priscas eras”  costumavam mesmo   mobilizar  a cidade. A imersão dos  protagonistas do evento, ou seja os  atletas e  professores era total. Os diretores  das escolas deixavam o conforto de suas salas e iam para a beira dos gramados, quadras,  piscinas e pistas de atletismo torcer pelas equipes de suas escolas.

 Não raro os atletas de escolas públicas,   ou privadas que se destacavam ganhavam “bolsas de estudos” e iam para escolas melhores. Existia ali  uma saudável disputa, fora das quadras,   pelos melhores atletas.

Bem aqui, uma pausa para um reconhecimento: se até hoje a cidade de Imperatriz abriga os maiores jogos escolares do interior do Maranhão deve-se a uma personalidade sempre lembrada quando se fala em desporto no Maranhão. Trata-se da minha ex-professora Mary Araújo de Pinho.  É certo que  há outros personagens, mas a Mary marcou toda uma geração por ter sido pioneira, como secretária municipal de Desporto e Lazer na execução dos Jogos Escolares de Imperatriz, nomenclatura que substituiu as antigas Olimpíadas Colegiais de Imperatriz (OCOI).

Para quem não sabe, os Jogos Escolares surgiram dessa competição que era realizada nas dependências do Batalhão-50º BIS e que revelou muitos dos profissionais de educação física que a cidade conhece  ou conheceu e que ajudaram a formar o caráter de muita gente boa hoje no mercado  no exercício de várias atividades laborais.

 Professores de educação física como a Mary de Pinho, Izaias,  Aldenir Barbosa,  Itiberé Wanderley e  Parente, protagonistas dos primeiros jogos e  que  já  foram transferidos para o plano superior pelo Criador,  merecem  a imortalidade pelo legado  em prol do desporto e pelos milhares de “filhos do  esporte” aqui deixados.

 O hoje vereador Esmerahdson de Pinho é um desses filhos do esporte. Influenciado diretamente pelo ambiente em que cresceu seguiu os passos da mãe como desportista, professor e agora parlamentar.  Ele se lembra dela com emoção e ao mesmo tempo orgulho pela herança que deixou  e também, pela condição de ter sido sempre uma  mulher à frente de  seu tempo, quebrando paradigmas e preconceitos ao atuar num ambiente, naquele tempo,  tipicamente masculino. Não tinha um aluno ou sequer um professor, que não a respeitasse.
 Aquela emoção primeva dos jogos escolares iniciados pela professora Mary de Pinho já não tem a mesma intensidade de antes e só é resgatada, às vezes, pelas lágrimas dos ex-atletas e dos professores quando  viajam no tempo e revivem as cenas do passado.  

O tempo passou, as competições foram divididas em etapas,  novos interesses passaram a despertar, e a chamar a atenção dos jovens tendo como consequência a perda do glamour e do tamanho dos Jogos Escolares de Imperatriz que  mesmo assim permanecem como os maiores do interior do Maranhão.

A gestão do prefeito Sebastião Madeira tem mantido a tradição e hoje no final da tarde no Frei Epifânio  a cidade chancela a edição de número 34 dos JEIS um momento, que  merece o respeito e atenção de todos por encerrar muito da história da cidade.

Certamente, mais uma vez no meio de jovens professores de Educação Física lá poderão ser vistos veteranos como Messias, Ribeiro Neto ( conduzirá a tocha olímpica),  Isnande, Giorvane de Pinho, Jessé, Ozanilda, Onildo Fernandes, todos professores remanescentes das OCOI ainda em plena atividade. Um prazer revê-los e reviver a emoção de um tempo vivo na mente daqueles que  num passado não muito distante nesse tempo ocupavam as quadras, piscinas e pista de atletismo da cidade.


FOTO ANTIGA: ACERVO DO PROFESSOR LEOPOLDO VAZ.