11/24/2015

QUE SE DANEM, AS VÍTIMAS


Entre  adotar uma conduta proativa e ajudar a salvar uma vida,  na  mais elementar  delas  usar o  celular  para acionar as unidades de  socorro, muitos seres ditos humanos  têm preferido usar o mesmo aparelho para conseguir o melhor ângulo da tragédia  e  postá-la como um troféu  no maior número de  grupos  de whatsapp que for possível    bem como em outras mídias.  A, ou as vítimas,  que se danem e  se afoguem, nas poças de sangue em que  estão mergulhadas e  que   torçam para que um humano, com compaixão,  apareça   com a ajuda devida.

Esse é um dos efeitos colaterais do avanço das novas mídias: o surgimento de  um comportamento anômalo diante de  uma situação que envolva ocorrências de natureza grave com vítimas que precisam de socorro imediato.  A maioria nem pensa em  sacar o telefone para chamar a polícia, Samu, ou os parentes das vítimas, mas sacá-lo para colher as “ melhores imagens” e exibi-las em tempo quase real na grande rede,  ou quem sabe faturar vendendo o produto da tragédia para alguma  emissora de TV.   

Esse fenômeno fatalmente nos remete àquela passagem do  evangelho de Mateus que diz “  E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará .

Diante desse embrutecimento do SER, surge  a necessidade de uma reflexão geral  sobre  o comportamento humano diante do que eu chamaria de   “manejo  humanizado da tecnologia ou das novas mídias” .


Refletir  sobre esse tema é preciso, fortalecer nosso lado humano, também.