1/14/2012

UTI Neonatal de Imperatriz citada em reportagem do Jornal Nacional

                                                                                   
Domingos Cezar

         Foi-se o tempo em que o município de Imperatriz era citado somente de maneira negativa ou depreciativa pelos órgãos de comunicação de circulação nacional. A mídia (jornal rádio e televisão) explorava, principalmente, a violência praticada em função da pistolagem que realmente, ou infelizmente, dominava a cidade.

         Nos últimos três anos, entretanto, Imperatriz transformou-se em pólo de desenvolvimento, tornando-se referência na Educação, por intermédio da criação e implantação de faculdades e universidades públicas e particulares. Há muito já era referência no comércio atacadista e, por último, no setor imobiliário e na saúde pública.

         Embora ainda existam as reclamações em função da grande demanda de pacientes oriundos de vários municípios do sul do Maranhão, norte do Tocantins e sudeste do Pará, os hospitais do município (adulto e infantil) atendem centenas de doentes todos os dias. O Hospital Municipal (HM), antigo Socorrão, é referência em tratamento de média e alta complexidade.

         As mudanças nos dois hospitais já eram notadas desde o início da administração do médico e prefeito Sebastião Madeira. Contudo, elas se verificaram com maior intensidade depois que a médica Conceição de Maria Madeira assumiu a então complicada Secretaria de Saúde. A partir de então, a ordem é humanizar o atendimento.

         Buscando parceria com o Governo do Estado, o prefeito Sebastião Madeira conseguiu com o Governo Federal e o apoio da  governadora Roseana Sarney aumentar consideravelmente o número de Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), que representavam o grande gargalo para a saúde pública do município, sendo, inclusive, notícia nacional em termos negativos.

         Em face ao humanizado atendimento no HM adulto, e a implantação de mais UTIs infantis no HM infantil, e a implantação de UTIs Neonatal, no Hospital Regional, a cidade vem se transformando a cada dia em novo pólo de saúde pública. Tanto que, no Jornal Nacional apresentado na noite de quinta-feira (12) uma reportagem sobre os gêmeos prematuros nascidos em Guaraí, que precisam urgentemente de UTIs neonatal deveriam vir para Imperatriz.

         A repórter explicava que na cidade das crianças (Guaraí) não havia UTI neonatal e nas grandes cidades tocantinas onde existiam, não tinham mais vagas. “Por essa razão, as crianças devem ser encaminhadas para a cidade de Imperatriz, no Maranhão, a aproximadamente 400 quilômetros de Guaraí”, informava. No dia seguinte à matéria, a Secretaria de Saúde do Tocantins encontrou as duas vagas em Palmas (TO).

         Perfil Econômico – O desenvolvimento do município de Imperatriz atraindo pequenos, médios e grandes investimentos é notório aos olhos da população. O Perfil Imperatriz lançado recentemente pela Associação Comercial e Industrial de Imperatriz (ACII) registra que “a cidade se consolida como pólo distribuidor de bens e serviços”. O livro mostra ainda com muita profundidade aspectos socioeconômicos, história, geografia, demografia e gestão empresarial.