1/26/2012

Vigilância em saúde aperta o cerco contra o mosquito da dengue


Secretária diz que população é o agente numero um  no combate ao mosquito Aedes aegypti

Diferente do mesmo período do ano passado, o número de casos de dengue em Imperatriz  neste Janeiro é bem menor.  A informação é da coordenação  em Saúde do município.

A coordenadora da Vigilância em Saúde , Wyderlânya  Aguiar, informou que no mesmo período em 2011, já haviam sido notificados 66 casos de dengue na cidade, contra 04 casos deste  ano.

Apesar do baixo número de registros, até agora, a coordenadora disse à reportagem que a Secretaria de Saúde por intermédio da secretária Conceição Madeira determinou que todas as ações fossem intensificadas, no sentido de evitar uma epidemia do mosquito. Ao todo são 206  agentes  atuando no município na luta contra as endemias, principalmente contra a dengue.

A área central da cidade, os bairros Bacuri, Mercadinho e Parque Anhanguera são os locais onde há o maior número de focos de mosquitos, por isso é o local onde se concentra o maior numero de agentes. Esse fenômeno também foi verificado nos anos anteriores o que significa que  falta um maior engajamento da população.

No ano passado cerca de cem homens do Exército uniram-se aos agentes de saúde de Imperatriz no combate ao mosquito, o que  se espera  que também aconteça em 2012  
“Foi muito importante o trabalho do Exercito. Os soldados nos  ajudaram bastante e agora em 2012  vamos novamente buscar essa parceria”,  informou Wyderlannya Aguiar.

A coordenadora destacou  ainda a  importância da participação da comunidade no combate ao mosquito e disse que essa luta não é só do poder público e,  sim de todos os moradores para evitar  à doença. De acordo com ela, é imprescindível que a população se envolva. “Para que os resultados avancem é imprescindível o apoio da comunidade no que diz respeito ao armazenamento correto de água nas residências, assim como o descarte de lixo e acúmulo de água limpa e parada”, argumentou.

A secretária de saúde Conceição Madeira, determinou também que as ações de fiscalização junto aos cemitérios, borracharias, ferro velhos e lixões fossem intensificadas, ontem, a coordenadora da Vigilância confirmou que as visitas que antes eram quinzenais, passaram a serem realizadas semanalmente.

“Sabemos que todo esse trabalho não depende só do agente que está em campo, sua participação nesse processo é muito importante”, disse Wyderlannya Aguiar. A coordenadora   ressaltou ainda que o Aedes aegypti pertence à família Culicidae, a qual apresenta duas fases ecológicas interdependentes: a aquática, que inclui três etapas de desenvolvimento – ovo, larva e pupa -, e a terrestre, que corresponde ao mosquito adulto.

Wyderlannya alertou ainda com relação a  duração do ciclo de vida do mosquito,  que segundo ela,  em condições favoráveis, é de aproximadamente 10 dias, a partir da oviposição até a idade adulta. Ela disse ainda que diversos fatores influem na duração desse período, entre eles a temperatura e a oferta de alimentos.

BORRIFAÇÃO


As ações de borrifação espacial (fumacê) destinadas a combater o mosquito da dengue, que estão sendo realizadas  em áreas da cidade com maior incidência da doença, percorrerão  todos os bairros sempre as 17hs, de acordo a programação divulgada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semus), o fumacê passará a fazer visita diárias ao centro comercial de Imperatriz, onde continua tendo o maior registro de foco di mosquito.

A secretária municipal de Saúde, Conceição Madeira, explica que, além da borrifação feita pelos carros, o serviço de fumacê conta com o suporte dos agentes de endemias que fazem as visitas a pé, e alcançam locais de mais difícil acesso, como becos e vilas.

A secretária frisou que o fumacê percorre os bairros, fazendo a cobertura de trechos previamente identificados pela Vigilância Epidemiológica como de maior incidência da dengue. “Na programação que estamos desenvolvendo, a maior parte das áreas já está recebendo o terceiro ciclo de borrifação, mas esta semana também foram incluídas novas áreas, por exemplo, em bairros como a Vila Lobão, Redenção, Cafeteira, Bacuri, Vila Nova, Santa Rita e outros” disse Conceição Madeira.

O fumacê é realizado sempre no finalzinho da tarde (geralmente entre as 17h e 18h30), porque estes são os horários de maior atividade do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue. O trabalho de borrifação não pode ser feito durante a chuva, por isso, observa a coordenadora  da Vigilância – Wyderlannya Aguiar, a execução do cronograma que vem sendo divulgado pela SEMUS depende das condições do clima.

Wyderlannya  voltou a recomendar à população que reforce as medidas diárias de prevenção à dengue, monitorando, principalmente no ambiente doméstico, todas aquelas situações que possam contribuir para a proliferação do mosquito causador da doença, sobretudo o acúmulo de lixo e de água parada.