3/09/2012

Presidente do Sindicato dos Ferroviários opina sobre volta do trem de passageiros


Para Eduardo Pinto os políticos de Imperatriz devem manter pressão na Vale
                                   
Domingos Cezar
  
  Com quase 30 anos de empregado da Vale e 15 na militância sindical, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias dos Estados do Maranhão, Pará e Tocantins (Stefem), Eduardo Fernando Jardim Pinto, é, sem dúvida, uma das pessoas que mais conhece as ações da Vale, no Brasil e exterior, em face a sua convivência com a empresa mineradora.

    Além de já ter ocupado assento no Conselho de Administração da Vale, representando a classe trabalhadora, o que lhe facultava o direito de manter contato direto com os executivos da empresa, Eduardo Pinto, conhece a atuação da mineradora pelo mundo. Em 2010 esteve no Canadá, em apoio à greve dos trabalhadores da empresa naquele país da América.

    No início deste ano, entre 27 de janeiro e 3 de fevereiro, o presidente do Stefem, na companhia do diretor Sindical, Novarck Oliveira, esteve em Moçambique, África, conhecendo as minas de carvão mineral da Vale, em Moatize, e também foi conhecer de perto como a empresa mineradora brasileira mantém relações trabalhistas com os sindicatos daquele país africano.

    Por essa experiência, o repórter ouviu o sindicalista para que este opinasse sobre o possível retorno do trem de passageiros para Imperatriz e região. Isso porque, o Sindicato dos Ferroviários mantém hoje na Norte-Sul, bases em Açailândia, Imperatriz e Porto Franco, no Maranhão, e Araguaína e Colinas do Tocantins, no estado do Tocantins.

    Eduardo Pinto fez questão de frisar que sua opinião é inteiramente política. Disse que não tem nenhuma dúvida da implantação do trem de passageiros, mas alertou os políticos locais que, neste caso, a estratégia da Vale vai ser em protelar o máximo possível essa discussão, “pois para ela não é viável economicamente”.

    O sindicalista afirma que, ao contrário, “é mais um ônus diante de uma obrigação legal e política”, afirma Eduardo Pinto, orientando os políticos que cobram a implantação desse projeto que, “o caminho correto a ser percorrido é pressão e mais pressão, aguardar, sem baixar a guarda”, conclui o presidente do Stefem.

Ressalta-se que a Câmara de Vereadores de Imperatriz já realizou três audiências para tratar desse assunto que, pelo visto, não está resolvido. O gerente de Relações Institucionais da Ferrovia Norte-Sul, José Osvaldo Cruz garantiu que no próximo dia 27 a Vale apresentará aos vereadores e a comunidade imperatrizense, a proposta definitiva de implantação do trem de passageiros.

Na audiência da última terça-feira (6), tanto o prefeito Sebastião Madeira, quanto o deputado federal Chiquinho Escórcio demonstraram certa desconfiança da empresa. Ambos cobraram de seu representante, mais explicações e, sobretudo, agilidade na implantação desse projeto tão importante para essa região do estado.