6/28/2013

Deputado Francisco Escórcio cobra urgência nas discussões em prol das polícias militares do Brasil


O deputado federal Francisco Escórcio (PMDB-MA) fez um pronunciamento nesta terça-feira (25), na tribuna da Câmara dos deputados, em homenagem à Polícia Militar do Distrito Federal. Na oportunidade, ele cobrou providências do Poder Executivo e do Congresso Nacional no sentido de dar prioridade para as discussões em prol das polícias militares e bombeiros de todo o Brasil.

Chiquinho alertou para a necessidade urgente de se promover uma ampla discussão sobre a situação das corporações militares em todo o Brasil, referindo-se a apreciação da PEC 300. “Quando fui senador ajudei a fazer o Fundo Constitucional do Distrito Federal e hoje os militares daqui são privilegiados. O Congresso Nacional precisa se debruçar sobre as necessidades da tropa em todo o país. Quantas vezes já viemos aqui para dizer que o Congresso Nacional tem a responsabilidade com a tropa. Será que eles não têm família”, apontou.

“Como eu posso entender que um policial do Corpo de Bombeiro, que dar sua própria vida em benefício da população, ganhe R$ 900,00. O que se faz hoje com esse dinheiro? Se não dou dignidade para ele, como ele pode dar dignidade a nós?”, questionou o parlamentar maranhense.

O deputado alertou que o Poder Executivo precisa destinar recursos voltados para investir na melhoria e modernização da Segurança Pública do Brasil. “São eles os responsáveis por nossa vida, pelo nosso patrimônio e se nós não estamos sendo responsáveis pelo padrão de vida dessa tropa, daqui a pouco eles se revoltam contra nós”, destacou, alertando a presidenta Dilma Rousseff de que daqui a pouco, os militares, aproveitando esses movimentos que estão ocorrendo em várias cidades, “podem iniciar uma manifestação de corporações de todos os lugares invadindo esta casa para pedir pela vida da sua família”.


“Venho aqui com veemência para dizer que a população está nas ruas e eles estão aí prestando um grande serviço à nação, contra aqueles baderneiros, mas daqui a pouco eles começam também a se revoltar porque nós não estamos dando a dignidade que eles necessitam. Que sirva como alerta para esta Casa que nós temos que encontrar um denominador comum. Temos os royalties do petróleo. Será que nós não temos sensibilidade de dar um amparo para as famílias desses homens?”, concluiu o deputado, estendendo suas reivindicações a todas as instituições militares deste país, do Exército, Marinha,  Aeronáutica, Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros