8/21/2013

TODOS SOMOS LÍDERES

Por Elson Araújo

Todo ser humano tem a capacidade de ser um líder. No mínimo, líder de si mesmo.


Líder dos seus sentimentos, de suas atitudes, e de suas escolhas; no entanto, há líderes cujo conjunto de atitudes  perpassa a liderança de si mesmo. As palavras, o jeito e o modo de falar;  os gestos,  e até mesmo seu silêncio encantam, estimulam, motivam, alimentam  e mantém sonhos vivos. 

Religioso ou político; militar,  ou comunitário,  sindical ou tribal, um líder no exercício desse mister precisa ser vigilante para que, assim,  mantenha seu exército, seja de que tamanho for, motivado. Motivado para pregar e viver o amor, como ensinava, e ensina o maior de todos os líderes Jesus de Nazaré,  ou defender   uma causa,  como o pastor Martin Luther  King, conhecido que ficou pela luta contra a segregação racial e pelos direitos civis,  nos Estados Unidos.

Reunir mentes e a força do trabalho de grupos ao redor de um ideal comum não é tarefa fácil; é preciso  influenciar positivamente  de forma que todos se  encantem, valorizem , respeitem  e acreditem na causa, ou melhor, tenham confiança no líder e deem o melhor de si. Sem isso, a liderança fica vazia e os resultados não aparecem.

Liderar é fazer o, ou os outros, acreditarem que são capazes e que é possível mudar o mundo para melhor; tarefa para os grandes líderes.

Cada líder com suas peculiaridades embora haja sempre características em comum.
Estudos apontam pelo menos seis traços que costumam diferenciar os líderes dos liderados: ambição e energia, desejo de liderar, honestidade e integridade; autoconfiança, inteligência e conhecimento.

Para Israel Crisótomo o líder tem que ter  visão, paixão, pensamento estratégico, habilidade de comunicação, automotivação, habilidade de unir pessoas, poder pessoal, capacidade de adaptação, disciplina, resolução, e capacidade  de se relacionar.

O estudioso define ainda o líder como aquele que tem a capacidade de administrar pessoas e equipes de personalidades diferentes, e gerencia-la, mobilizando-as para objetivos comuns.

De modo mais ainda simplificado Crisótomo assinala que liderar é comunicar as pessoas seu valor e potencial de forma tão clara, tão forte em que elas acabem por vê-los em si mesmas e que seja capaz de se colocar em movimento sentido parte do processo de ver, fazer e tornam-se capazes. E outras palavras contribuir para a formação de novos líderes.

Por fim, diante do que se vê pode se afirmar que o mundo sofre de carências,  carências múltiplas e uma delas é a de  mais lideres preocupados, sobretudo, com o bem comum.