11/30/2013

Realizado com sucesso o primeiro transplante renal pelo SUS em Imperatriz


 Cirurgia é  considerada um marco na medicina da cidade

O segurança José Carlos Souza Costa, de 31 anos, entrou ontem (28) para a história como o primeiro paciente renal a se submeter a uma cirurgia de  transplante  de rim, pelo Sistema Único de Saúde (SUS)  em Imperatriz; procedimento que inaugura  uma nova era na medicina da região e  que  na cidade era esperado desde 2002. A cirurgia foi  realizada no Hospital Santa Mônica  e envolveu cerca de 20 profissionais.

Esse novo serviço público na saúde de Imperatriz é resultado da parceria do Ministério da Saúde, Governo do Estado, e Prefeitura. O embrião do projeto, relembra a nutricionista Neusa Oliveira Araújo, uma das  administradoras do Santa Mônica,  foi implantado ainda em 2002;  ganhou  uma pequena sobrevida em 2004 e só  veio a  tornar-se realidade agora, no final de Novembro de 2013.

O transplante durou cerca de quatro horas, e conforme informou a direção do Hospital, foi considerado  um sucesso. Neusa Araújo informou ontem à tarde que o paciente entra agora na fase de observação pós-operatório e que na próxima segunda-feira o coordenador da equipe,  o médico Antônio Dantas, deve reunir a imprensa para informar mais detalhes sobre o procedimento e a evolução do  transplantado.

Para que o serviço fosse de fato, e de direito, incluído no portfólio de procedimentos médicos do SUS em Imperatriz faltava uma interveniência política e esta foi feita pelo deputado federal Chiquinho Escórcio  que diversas vezes, algumas acompanhado do prefeito  Madeira e da secretária de Saúde Conceição  Madeira, esteve no MS, Junto ao próprio ministro Alexandre Padilha solicitando o credenciamento do serviço.   A aprovação também passou pelo Governo do Estado tendo o aval total da governadora Roseana Sarney.

A Cirurgia-


Os cirurgiões, nefrologistas, urologistas, anestesistas, os cardiologistas,  enfermeiras, a psicóloga, farmacêutica, o bioquímico,  e a  assistente social chegaram   mais cedo do que de costume ontem no Santa Mônica. No ar um clima de expectativa e  apreensão,  considerado natural, pela equipe  diante da complexidade do procedimento.

A cirurgia, que contou com o apoio de dois especialistas, um de Goiânia e outro do Rio Janeiro,  estava marcada para começar às 8h da manhã, mas só foi começar às 8h40,  o que não chegou alterar em nada o trabalho dos profissionais.

Por volta das 9 horas chegaram ao Hospital  a secretaria de saúde do município Conceição Madeira, o prefeito  Sebastião Madeira, o  subsecretário de Estado da Saúde José Marcio Leite, o diretor da UPA de Imperatriz, Ademar Freitas, a vereadora Fátima Avelino e ainda o deputado Antônio Pereira,    que numa sala da diretoria do Hospital  recebiam as informações sobre a evolução da cirurgia dadas pelo médico Irisnaldo Félix, que integra a equipe de transplante renal de Imperatriz.

“Hoje Imperatriz vive um momento histórico na medicina. O transplante renal é um procedimento de alta complexidade, que traz esperança para centenas de pacientes que dependem de hemodiálise e são praticamente escravos de uma máquina   que filtra o  sangue, duas ou três vezes por semana”,  declarou  Conceição Madeira, ressaltando sua felicidade  como médica e gestora de saúde  por viver esse momento da evolução da saúde publica de Imperatriz.

Para a secretária, a efetivação desse serviço não  é só  uma  vitória da cidade,  mas, sobretudo dos médicos  urologistas e nefrologistas que não mediram esforços para alcançar essa conquista que trará grandes  benefícios  para os doentes  renais crônicos de Imperatriz e região  que agora  não vão mais ter que se deslocar para outros centros para conseguir um transplante.

Já o prefeito Madeira, que  é o médico que implantou a Urologia em Imperatriz no final da década de 70   ressaltou  que marco só foi possível por causa das parcerias firmadas entre Governo do Maranhão, Secretaria de Saúde de Imperatriz e Ministério da Saúde.

“Hoje é o primeiro transplante, mas  a meta  é fazer pelo menos 10 ou 15 por mês, levando cada vez mais a possibilidade das pessoas terem uma vida normal. Abre-se agora  a perspectiva para outros serviços de alta complexidade como, por exemplo, um transplante hepático/transplante de fígado.  Sinto-me muito feliz em está participando deste momento histórico tanto como gestor como pessoa, pois estamos vendo a urologia de Imperatriz dar passos cada vez maiores para consolidar a especialidade aqui no município”, destaca o prefeito.

O subsecretario de estado da saúde José Marcio Leite,  ao se manifestar sobre esse novo serviço público da saúde de Imperatriz relembrou que por coincidência, há 30 anos  fora ele quem credenciou o primeiro serviço de hemodiálise de Imperatriz.  Para  José Marcio não resta dúvida que a chegada do transplante  é a evolução de uma trabalho iniciado naquela época.

O Transplantado- O transplantado José Carlos Sousa Costa,  é casado e pai de dois filhos  morava em Balsas e por causa da hemodiálise, iniciada  em 2009, mudou-se para Imperatriz.  A esperança de retomar uma vida normal veio do irmão Junivan Costa que lhe dou o rim.