12/06/2013

Prontuário Eletrônico de Paciente (PEP) pode ser implantado na Rede Pública de Imperatriz.


O projeto do vereador Esmerahdson de Pinho (PSDB) está pronto e será apresentado na próxima semana

O vereador Esmeradhson de Pinho (PSDB) observa que objetivo principal da implantação do PEP é otimizar o processo e dar celeridade à tramitação das ações referentes ao serviços oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Imperatriz. Ele ressalta que uma das vantagens de se trabalhar com este prontuário, é que ele vai agilizar o atendimento ao paciente.

Sobre a iniciativa o vereador afirma: “Primeiramente entramos em contato com a secretária de saúde Conceição Madeira, para explanar a idéia, ela já conhecia o funcionamento, e ver como uma oportunidade de se adequar ao sistema e de se modernizar; tornando Imperatriz o município pioneiro na implantação do PEP, que acima de tudo traz benefício aos usuários do SUS”.

Esmerahdson explica ainda que a política de adesão do PEP já é praticada em outras cidades do Brasil, então Imperatriz vai apenas aderir a uma política nacional. “Eu vejo neste projeto a possibilidade de acabar com as pilhas de papeis que temos, e facilitar o atendimento para o usuário que chega, por exemplo, para consultar, não sabe qual o medicamento que está tomando, deixou receita em casa, e etc., mas não vai ser prejudicado porque através do PEP o médico terá acesso a todo o seu histórico”.

Questionado sobre a viabilidade do projeto, Esmerahdson explicou que para o funcionamento, é necessária apenas a conexão com a internet e a instalação dos softwares. Segundo ele, o Ministério da Saúde (MS) disponibiliza todos os suportes, tanto na parte teórica (implantação) como na parte operacional. E além disso, de acordo com o projeto, foi feito um levantamento da estrutura física das unidades que compõem a rede, e foi detectado que praticamente 100% dos locais tem conectividade.

Quanto à previsão de implantação, o vereador esclareceu que se aprovado, é possível implantá-lo dentro de 180 dias, visto que é necessário um período de adaptação, conscientização e treinamento das equipes que trabalham na rede de saúde.  “Eu acredito que o projeto vai ser aprovado, levando em conta sua importância para a comunidade. Ele vai entrar em plenária na segunda feira agora próxima”, informa.

“E no final do exercício de 06 meses ou de um ano, após implantação , dependendo do que a gestão definir, através de um clique será possível ter todo o histórico ali em uma tela, quantos atendimentos já foram realizados de cada especialidade. E isso com certeza vai facilitar e vai colaborar para elaboração de calendários e cronogramas mais precisos o que auxilia na tomada de decisão com mais precisão”, acrescenta o vereador.
Maria Almeida