2/11/2014

Justiça ordena prisão de suspeito de lançar rojão contra cinegrafista

Sérgio Ramalho e Leonardo Barros, O Globo

A Justiça do Rio decretou, no fim da noite desta segunda-feira, a prisão temporária de Caio Silva de Souza, o homem suspeito de ter acendido o rojão que matou o cinegrafista Santiago Andrade. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do estado (TJ-RJ).

Até a meia-noite e meia, ele não havia se apresentado. Caso o suspeito não se entregue, policiais podem ir às ruas para cumprir o mandado de prisão a partir das 6h desta terça-feira. Assim como o tatuador Fábio Raposo, que já está preso em Bangu, Caio também teve a prisão pedida pela polícia.

Os dois foram indiciados por homicídio doloso qualificado e crime de explosão. O delegado Maurício Luciano de Almeida, da 17ª DP (São Cristóvão), não quis revelar o nome do segundo acusado, que tem duas passagens pela polícia: numa, ele aparece como vítima porque teria sido agredido em uma manifestação no Centro, e na outra ele é acusado de crime de baixo potencial ofensivo, que o delegado também não quis revelar.

Raposo ainda é citado em dois inquéritos por participar de protestos: o tatuador é acusado de ameça, dano ao patrimônio e associação criminosa. A pena pela morte de Santiago pode chegar a 35 anos. Os dois vão a júri popular.