3/27/2014

Presos reclamam e comida fornecida é inspecionada pelo Ministério Público

Da Assessoria.

Na última sexta-feira, a 5ª Promotoria Criminal, representada pelo promotor de justiça Domingos Eduardo da Silva, juntamente com a presidente da Comissão Carcerária da OAB, Helena Amorim, realizou inspeção no restaurante responsável pelo fornecimento da comida dos presos da delegacia e da CCPJ. Durante uma visita feita no mesmo dia à delegacia regional, muitos presos reclamaram da falta de variedade das refeições oferecidas além do seu preparo.

Os detentos encaminharam também a reclamação à Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos explicando os problemas da comida, como excesso de sal, falta de cozimento de alguns alimentos além de alegarem que em dias de visitas não são servidas alimentação aos internos.

Durante a inspeção, a nutricionista responsável, Janaína Ramos, afirmou “Dentro do contrato que nós fechamos, o cardápio é muito variado, nunca vai a mesma carne no almoço e no jantar” e sobre as demais reclamações esclareceu “Devido a grande quantidade, a comida industrializada é diferente, não fica com o mesmo gosto da caseira”.

Outro problema alegado pelos presos é que nos dias de visitas, o fornecimento de comida diminui e o almoço é substituído por um lanche. A situação foi esclarecida pela empresa responsável, Masan – Serviços Especializados LTDA, que afirmou que a troca foi um pedido dos próprios presos, já que nos dias de visita, a maioria recebe alimento dos familiares.

A comida servida aos presos, pesa de 600 à 700 gramas, e segundo a nutricionista, a quantidade está dentro do limite e satisfaz a necessidade de reposição de energia.