4/03/2014

Secretaria Municipal de Saúde comemora Dia Mundial de Conscientização do Autismo.

          Brincadeiras, atendimentos em saúde, panfletagem, contação de histórias, artes circenses, malabares, exposição de artesanato e orientações técnicas marcaram o Dia Mundial de Conscientização do Autismo em Imperatriz. Na tarde e noite de ontem (02), o Centro de Atenção Psicossocial Infanto Juvenil (CAPS/IJ) reuniu profissionais, mães e crianças autistas no salão principal do Shopping Imperial para falar sobre o autismo – síndrome que afeta a capacidade de comunicação e socialização do indivíduo.

            A secretária de Saúde Conceição Madeira e o Prefeito Sebastião Madeira prestigiaram o evento. A ação foi desenvolvida com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para a temática que na maioria das vezes passa despercebida, prejudicando o desenvolvimento da pessoa portadora da síndrome. E também para apresentar à população os serviços oferecidos pela Secretaria Municipal de Saúde por meio do CAPS/IJ no tratamento desta doença.

            Dilcinei Barros, coordenadora do CAPS/IJ informa que a assistência psicossocial para crianças e adolescentes é disponibilizada a população há uma década. “Este ano nós comemoramos 10 anos de implantação do CAPS/IJ em Imperatriz, sempre tratando os transtornos causados pelo autismo e é com muita alegria que nós realizamos este evento para que as pessoas tomem conhecimento da nossa existência e possam nos procurar”, afirmou Dilcinei, informando que os serviços são disponibilizados todos os dias no Centro que está localizado na Rua Sergipe S/N, Bairro Três Poderes.

            Ao falar sobre o atendimento público prestado aos autistas na cidade , a Psicóloga Nádia Borges que também estava presente no evento frisou: “Nos últimos quatro anos temos crescido bastante, principalmente devido a implantação do protocolo de atendimento no CAPS Infanto Juvenil -  que tem sido uma referência no atendimento de autistas na Região Tocantina. Temos atendido adolescentes e crianças de diferentes faixa etárias”.  Nádia ressalta que no CAPS/IJ é oferecido tratamento completo desde o diagnóstico ao suporte psicopedagógico com terapia ocupacional, psicoterapia, brinquedista e psiquiatra.

             Marilene de Araújo Lima, mãe de um adolescente autista que faz acompanhamento no Centro destaca que essa assistência é fundamental. “Eu passei por uma outra instituição antes, e nunca tive uma informação concreta do que era o autismo. Meu filho tinha um comportamento diferente, ele fazia coisas que eu não sabia explicar o porquê. Eu sabia que ele tinha uma necessidade especial, mas dizer porque ele fazia aquilo eu não sabia. E o CAPS/IJ me ajudou a entender as manias que um autista tem, suas particularidades. Antes eu não sabia como lidar com meu filho, e hoje eu sei, com a ajuda dos profissionais que me assistem”, afirmou.

Maria Almeida - ASCOM