5/26/2014

GUERRA DIGITAL: Aécio prepara contra ataque juridico


De O Globo.

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), pré-candidato à Presidência da República, montou um time de estrelas jurídicas — que inclui três ex-ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e especialistas em Direito na área digital — para a guerra política que vai ser travada durante a campanha eleitoral. Cada um terá uma área específica de atuação. O núcleo digital da defesa do senador descobriu que parte dos ataques virtuais à imagem do tucano partiu de dentro de órgãos públicos, como a Eletrobras e a prefeitura de Guarulhos, comandada há 14 anos pelo PT.

— Identificamos uma atuação simultânea contra o senador Aécio Neves em diversos pontos do país. Muitos partindo de computadores situados em órgãos públicos. Inclusive já temos comprovação de que um dos ataques partiu de dentro da Eletrobras — afirmou a advogada Juliana Abrusio, do escritório Opice Brum.

De acordo com Juliana Abrusio, a utilização de computadores da estatal para ataques ao senador não é o primeiro identificado num órgão público. Ontem, a “Folha de S. Paulo” publicou que Aécio foi vítima de ações que partiram de computadores da prefeitura de Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo.

Procurada pelo GLOBO, a assessoria de imprensa da prefeitura de Guarulhos informou que foi aberta uma investigação para apurar a denúncia. Ainda de acordo com a assessoria, a prefeitura desconhecia o uso das instalações municipais para ataques a políticos. — Há uma atuação simultânea, em locais diferentes, utilizando perfis compartilhados ou seja, o mesmo perfil é acessado por pessoas em diferentes cidades, o que representa uma organização. Há evidências de que esses grupos agem como quadrilhas virtuais — acrescentou a advogada.

A descoberta aconteceu depois que Aécio conseguiu, na Justiça, quebrar o sigilo contratual de clientes de 27 empresas que prestam serviços relacionados à internet, com o objetivo de descobrir quem estava por trás de páginas com o nome “Aécio Boladasso”.

Segundo Juliana, já é possível dizer que há uma rede coordenada para fazer ataques virtuais ao pré-candidato tucano em diversos estados. — Contratamos peritos para avaliar e investigar as contas criadas para denegrir a imagem do senador. Estamos assustados com o número de ofensas virtuais que já estão acontecendo — disse a advogada. Além de Juliana, o advogado Renato Opice Blum também estará atento ao uso de técnicas como robôs virtuais para viralizar boatos contra o tucano.

Eleição judicializada

Há outros cinco juristas sob a coordenação do deputado Carlos Sampaio (SP). Os ex-ministros do TSE Carlos Eduardo Caputo Bastos e Marcelo Henriques Ribeiro de Oliveira serão responsáveis por cuidar dos assuntos relacionados ao tribunal em Brasília. O advogado José Eduardo Rangel de Alckmin, que também foi ministro do TSE e é primo do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), vai cuidar dos recursos nos estados e acompanhar os candidatos a governador. Já o ex-subprocurador-geral da República José Roberto Figueiredo Santoro, que tem bom trânsito no Ministério Público Federal, vai atuar na área criminal e nos casos de improbidade administrativa.

— A eleição será muito judicializada, trabalhar com o PT em uma disputa nacional é muito difícil, eles tangenciam a legalidade sem nenhum receio. Por isso, optei por organizar uma forma metodológica de trabalho em equipe. Um não vai interferir no trabalho do outro, mas todos vão trabalhar de forma conjunta e complementar. Apesar das competências específicas, todos serão ouvidos, e faremos conferência quando tivermos um debate maior — explica o deputado Carlos Sampaio, que também é advogado.


Auxiliando o parlamentar na coordenação jurídica da campanha estão os advogados Flávio Henrique Pereira da Costa — da liderança do PSDB na Câmara — e o advogado Gustavo Kanffer, que defende o partido.