10/10/2014

E o " Seu Prezado", o velho mestre de obras, morreu.




Decorrência de um “ câncer de fígado”  morreu, na noite de ontem o conhecido mestre de obras José Carlos Mendes, o popular Prezado, uma das memórias da construção civil de Imperatriz, atividade que  exercia desde o tempo de “rapaz”.

Prezado conhecia como ninguém,  as “entranhas de Imperatriz”  motivo pelo qual grande parte dos engenheiros da cidade recorria a ele sempre que o assunto  era drenagem uma vez    décadas   trabalhava nesse setor.

“Seu prezado”  trabalhou até descobrir-se doente. Seu último serviço na cidade foi nas obras de drenagem do PAC I, retomadas recentemente.

O velho mestre de obras nos deixou aos 85 anos. Deixa  17 filhos, entre eles o colaborador da Assessoria de Comunicação da Prefeitura, Paulo Ney Mendes.

UM GRANDE PERSONAGEM: 





Quem  via  o Prezado circulando pelas ruas da cidade numa potente  F- MIL 89, nem imaginava quantas histórias  ele, natural de Rosário -MA, de onde saiu aos 6 anos de idade para morar em São Luís,  tinha para contar.

Bastavam “ dois dedos de prosa”  para  ele, num  português  cantado, típico da baixada maranhense, debulhar  ao ouvinte algumas de suas histórias;  todas ligadas  à construção civil. Uma delas o mestre  contava com orgulho: a de ter participado da construção  da Ponte São Francisco,  um marco revolucionário urbano da nossa capital São Luís,  iniciada em 1968 e concluída anos depois.

Lembrava o velho mestre ter sido o empreiteiro da parte de armação da ponte (ferragens) daquela obra, que segundo ele,  contou com cerca de 500 operários e teve como engenheiro  Láercio Cunha e como supervisor  o então jovem engenheiro  José Reinaldo Tavares, ex-governador e recentemente eleitor deputado federal, que por não acertar seu nome o chamava de “ Gente Boa”

Antes o mestre de obras, lembrava que participara da construção de uma ponte de 170 metros em Oeiras (PI) o que lhe credenciou para outras obras de grande porte.



Anos depois Prezado  trouxe sua experiência  na construção civil  para Imperatriz  tendo participado de obras importantes  como a construção da galeria da Rua Bom Futuro.

 
José Carlos Mendes chamava a atenção pela lucidez, vitalidade, e coragem para trabalhar.  Levantava sempre às 5h30 da manhã, tomava café e ia direto para o campo de trabalho de onde só retorna às 19 horas. 

 
Fica aqui nossas homenagens ao velho construtor, um grande amigo que se vai.