10/19/2015

Mens sana in corpore sano


Elson Araújo

Do mundo moderno marcado pelo consumismo exacerbado, deriva-se uma prática globalizada: um verdadeiro culto ao corpo, não só exageradamente manipulado pelos exercícios físicos nos sofisticados aparelhos de ginástica distribuídos nas academias de grife, e não tão de grife, mas também pelos bisturis de renomados, e não renomados, cirurgiões plásticos espalhados pelas clínicas de alto padrão  e nas chamadas fundo de quintal Brasil e mundo afora. O problema é que essa preocupação hedonista não segue na mesma intensidade dos cuidados com a mente, essencial para a manutenção da vida e seus matizes. Nunca a corporificação da citação latina “mens sana in corpore sano” (mente sã num corpo são) tornou-se tão necessária quanto “nestes tempos de cólera”,  pois cuidar da mente também é preciso.

É visível nas sociedades, sobretudo cosmopolitas, o desequilíbrio entre o corpo e a mente. Quando não é o próprio corpo que padece pela inércia, ou pelas intervenções físicas anormais, é a mente que sofre vitimada pelo estresse, ansiedade, pânico, transtorno obsessivo-compulsivo, bipolaridade, transtorno do déficit de atenção e a terrível  depressão; transtornos que nem sempre oferecem um final feliz a quem os adquire.

Acredito que cada um de nós tenhamos entranhadas  as gênesis desses males da mente, contudo essa mesma crença passa pelo controle consciente  destas a partir de práticas que mantenham em sintonia, ou equilíbrio, mente e corpo. A linha entre a sanidade e a insanidade é muito tênue, conforme me disse anos atrás em sala de aula uma professora de psicologia, daí a necessidade, lembrava ela, da busca por esse equilíbrio.

Não há dúvidas de que para se conquistar uma boa saúde, cuidar do corpo com atividades físicas, e uma boa alimentação são essenciais, mas não se deve, de forma alguma, desprezar os cuidados com a saúde mental. Essa, acredito, deve ser uma busca consciente e permanente de nós que habitamos esse mundo globalizado e tão conturbado.

Há um entendimento pacífico dos estudiosos que “como qualquer máquina ou músculo, o cérebro  precisa de cuidados para funcionar corretamente”.
A maturidade me ensinou que ao adquirir essa consciência fica mais fácil cuidar melhor do cérebro  e assim iniciar a buscar o tão almejado equilíbrio que, além de fazer bem para a saúde, é um forte auxiliar na construção de relações interpessoais mais saudáveis.

Especialistas como Bokkulla Ramachandra Reddy,  recomenda que dediquemos alguns minutos da manhã à mente.

A dedicação a esse poderoso instrumento pode se acrescentar orações solitárias ou em grupos, meditações, mentalizações, sessões de relaxamento ou outras práticas que estimulem de forma saudável nosso cérebro e consequentemente melhore nosso bem estar e a relação com o mundo.


Zelar do corpo, portanto, é fundamental; conjugado com os cuidados com a mente, é muito melhor.